Fora, Meirelles! O inimigo do Povo!

Meirelles já declarou, de público, que, se o presidente Temer “sair”, ele continua, e todos os jornais repetem isto, com o apoio de economistas variados e empresários, como o senhor Roberto Setúbal, presidente do Itaú

1.       O Senhor Henrique Meirelles, Ministro da Fazenda, ex-presidente do Bank of Boston e durante vários anos presidente do Conselho da J&F (de Joesley), de onde saiu para ocupar o Ministério da Fazenda, procura, à frente de uma equipe de economistas de linha ultraneoliberal, implantar no Brasil, na Constituição e na legislação uma série de “reformas” para criar um ambiente favorável aos investidores, favorável ao que chamam de “Mercado”.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

2.       O Senhor Henrique Meirelles já declarou, de público, que, se o Presidente Temer “sair”, ele continua e todos os jornais repetem isto, com o apoio de economistas variados e empresários, como o Senhor Roberto Setúbal, presidente do Itaú.

3.       Estas “reformas” são, na realidade, um verdadeiro retrocesso econômico e político e estão trazendo, e trarão enorme sofrimento ao povo brasileiro e grande alegria ao “Mercado”.

4.       Enquanto crucificam o povo brasileiro e em especial os mais pobres, os trabalhadores e os excluídos, o debate político fica centrado na corrupção, desviando a atenção da classe média e dos moralistas, em torno de uma verdadeira “novela” com heróis e bandidos.

5.       Discute-se se Michel Temer levou ou não “contribuições pessoais” e se foram 500 mil ou 20 milhões, a prazo; se o Senador Aécio Neves pediu uma propina ou um empréstimo (informal!!) de 2 milhões de reais; se a JF corrompeu quem e quantos e ficaram livres de pena; se o Senhor Joesley merecia o perdão; se Sérgio Moro, juiz de primeira instancia, é ou não a principal autoridade judiciária do país, acima da Lei; se o Ministro Marco Aurélio é justo; se o Ministro Gilmar Mendes é imparcial etc etc etc.

6.       O tema verdadeiramente importante é a tentativa das classes hegemônicas brasileiras, aqueles que declararam ao Imposto de Renda ganharem mais de 160 salários mínimos por mês (cerca de 160 mil reais) e que são cerca de 70 mil pessoas e que constituem, em seu conjunto, aquela entidade mística que os jornais e analistas chamam de “Mercado”.

7.       O “Mercado” contra o Povo.

Valter Campanato/Agência Brasil

Meirelles tenta implantar série de “reformas” para criar um ambiente favorável aos investidores

Não existe crise econômica no Brasil, diz Temer antes de cúpula do G20 na Alemanha

Temer comete nova gafe em viagem internacional e diz que seu governo fez 'voltar o desemprego'; veja vídeo

Reforma trabalhista é inconstitucional, diz relatório do Ministério Público

 

8.       De um lado, o “Mercado”:

·          os empresários, promotores do Pato e financiadores do MBL; exceto aqueles que já se deram conta que Meirelles é contra a indústria;

·          os rentistas;

·          os grandes proprietários rurais (entre eles o Senador e Ministro Blairo Maggi e o avião interceptado pela FAB);

·          os grandes proprietários urbanos;

·          os banqueiros (não os bancos) e seus lucros;

·          os gestores de grandes empresas privadas, modestos ex-professores universitários;

·          os proprietários dos meios de comunicação;

·          os grandes executivos brasileiros de megaempresas multinacionais;

·          os professores universitários, formados em universidades estrangeiras, em teorias próprias dos países desenvolvidos e que, mesmo lá, fracassam;

·          os economistas e os jornalistas econômicos, empregados do Mercado.

9.       De outro lado, o Povo:

·          os 53 milhões de brasileiros que recebem o Bolsa Família, isto é, cuja renda mensal é inferior a 182 reais;

·          as dezenas de milhões que são isentos do imposto de renda por terem renda inferior a 2.500 reais por mês.

·          os 61 milhões que estão inadimplentes, com seus crediários;

·          os 14 milhões de desempregados;

·          os 3 milhões de crianças fora da escola;

·          os mais de 11 milhões de habitantes de favelas (hoje chamadas comunidades!!);

·          os subempregados;

·          os 47 milhões que ganham menos de um salário mínimo por um mês;

·          os milhões sem remédios e sem hospital.

10.  O programa econômico de Henrique Meirelles é o verdadeiro inimigo do povo! Não é a corrupção que distrai a atenção da verdadeira catástrofe que está sendo consolidada na legislação através de um Congresso que representa principalmente empresários, banqueiros, proprietários rurais, rentistas, etc.

11.  O Mercado agora deseja colocar um presidente de imagem limpa para que, como disse o Senhor Roberto Setúbal, na Folha de São Paulo, o importante são as reformas! Não importa quem as conduza!

12.  É preciso lutar com todas as forças contra este programa de “retrocessos” disfarçados, cinicamente, de reformas a “favor” do Povo!

(*) Samuel Pinheiro Guimarães é diplomata, foi ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos durante o governo Lula e, atualmente, é professor do Instituto Rio Branco.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias