Iêmen, um país à beira da catástrofe humanitária

Escutam-se poucas vozes na grande mídia mundial para comover a opinião pública em busca de uma solução urgente para o país, que convive há dois anos com bombardeios da Arábia Saudita e sofre com a pior epidemia de cólera já registrada

Nesta semana, algumas publicações afirmaram que 80% da população do Iêmen precisa de ajuda humanitária urgente. O país sofre a pior epidemia de cólera já registrada, que afeta 300 mil pessoas. Uma pessoa morre a cada hora em decorrência da epidemia.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Três milhões de pessoas se viram obrigadas a abandonar suas casas como resultado da guerra e suas consequências. A superestrutura administrativa do país foi destruída pelos bombardeios realizados pela Arábia Saudita e o conflito armado que se acentuou nos últimos dois anos. As principais vítimas têm sido civis, especialmente crianças.

O país precisa de água potável, medicamentos e alimentos. Em poucas palavras, o Iêmen está à beira do caos humanitário.

Escutam-se poucas vozes nos grandes meios da imprensa mundial para comover a opinião pública em busca de uma solução urgente. Custa trabalho encontrar financiamento para as organizações humanitárias internacionais para ajudar essa nação.

É fácil encontrar dinheiro para a corrida armamentista. Foi fácil para a vizinha Arábia Saudita, de onde vieram os principais ataques, com danos em escolas, hospitais e zonas urbanas, gastar mais de 5 bilhões de dólares em compra de armas provenientes principalmente dos Estados Unidos e do Reino Unido.

Em 2014, antes que se iniciasse o último dos conflitos armados vividos pelo Iêmen, a esperança de vida ao nascer não chegava aos 65 anos de idade, em uma população de mais de 25 milhões de pessoas. A taxa de mortalidade materna superava as 200 para cada 100 mil bebês nascidos vivos.

Antes que os bombardeios dos aviões estrangeiros e o conflito interno destruíssem a infraestrutura econômica e social do país, um terço da população vivia em pobreza extrema, na indigência. Hoje, essa categoria abarca a quase totalidade do país.

Em 2013, o Iêmen dedicava somente 1,3% de seu PIB (Produto Interno Bruto) à saúde pública, do que se pode inferir a grave deterioração desse importante indicador do bem-estar da população. Esse fator provocou, junto à destruição física de hospitais e da infraestrutura de saúde pela guerra, que o sistema de saúde do país se encontre em colapso para enfrentar a terrível epidemia de cólera. Em 2010, as mortes por cólera eram de 3% do total (800 por ano), enquanto a malária reportava uma taxa de mortalidade de cerca de 5%.

Agência Efe

Pessoas recebem tratamento contra cólera em hospital de campanha em Sana, capital do Iêmen (06/07)

Líder trabalhista do Reino Unido acusa governo conservador de motivar terrorismo com 'guerras fracassadas'

'Efeitos da Guerra dos Seis Dias perduram 50 anos depois'

Homem iraquiano abre loja de bebidas em Mossul 'só para encher o saco do Estado Islâmico'

 

A guerra que o povo iemenita tem vivido nos últimos decênios não se dá só por meio de bombas e projéteis. Uma guerra silenciosa tem causado enormes estragos no país: a miséria, o subdesenvolvimento, a exploração dos recursos naturais. Os espaços noticiosos – às vezes – se alarmam quando cai uma bomba, mas fazem silêncio sobre outras circunstâncias que fazem sangrar os povos.

O povo iemenita hoje está pagando o preço de anos de esquecimento e as consequências diretas de uma agressão estrangeira e de enfrentamentos armados. O país se converteu em refúgio de grupos terroristas, muitos deles formados, financiados e treinados por potências estrangeiras. A situação do Iêmen, em meio a uma absoluta situação de desemprego e de fome generalizada, faz com que não poucas pessoas se juntem a esses grupos em busca de sustento para si e para sua família. É neste estado de desolação, miséria e abandono social que está o caldo de cultivo para grupos como a Al Qaeda e similares. O Iêmen ensina que as bombas não vão matar o terrorismo, como tampouco matam a miséria.

O povo iemenita, as crianças iemenitas, gritam por ajuda. É necessário que o mundo escute esses gritos estremecedores e que se comovam na prática. A reunião do G20 “se esqueceu” de falar disso. A grande mídia olha para o outro lado. Temos que nos unir ao chamado dos desvalidos dessa nação.

No Iêmen, foram desconsideradas todas as normas do Direito. O Direito Internacional Humanitário e o Direito Internacional foram pisoteados e nada aconteceu, e os violadores andam pelo mundo com os bolsos cheios de petro-dólares. Sobre os direitos humanos, quase não vale a pena falar, porque já quase não há humanos com os direitos mais elementares.

É horrível a situação que o Iêmen vive hoje, e mais horrível é o silêncio ou a indiferença da humanidade ao que está acontecendo no país.

 

Publicado originalmente no site Cubadebate

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Protesto anti-Trump acaba em confronto no Líbano

Violência segue intensa no Oriente Médio após decisão americana de reconhecer Jerusalém. Policiais reprimem manifestação perto da embaixada americana em Beirute e, na cidade disputada, oficial israelense é esfaqueado