Farmácias no Uruguai começam a vender maconha para uso recreativo na próxima semana

Segundo o governo, 4.711 pessoas se registraram até agora para terem acesso à erva vendida em farmácias; Uruguai se tornará primeiro país do mundo a regular do começo ao fim a venda de maconha para uso recreativo

O Uruguai começará a vender em farmácias maconha para uso recreativo em 19 de julho, informaram nesta sexta-feira (14/07) fontes oficiais.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O Instituto de Regulamento e Controle de Cannabis (Ircca) anunciou nesta sexta-feira em um comunicado que o processo de venda "de cannabis psicoativa de uso não medicinal em farmácias" começará na próxima quarta-feira.

A venda em farmácias é uma das vias de acesso legal à substância, que foi regularizada em dezembro de 2013, sob o governo de José Mujica.

O organismo apontou que, até o momento, são 16 as farmácias que aderiram e essa lista será divulgada no mesmo dia do início das vendas através do site do Ircca. "Serão vendidas flores de cannabis - bud - envasilhados em estado natural, secas, e sem ser prensada", detalhou a instituição.

Concretamente, serão vendidas duas variedades que foram denominada Alfa I e Beta I, com características diferentes.

Matias Maxx / Vice Brasil

Flor (ou "bud") de maconha. Apenas essa parte da planta é fumada; o caule pode ser utilizado para confecção de fibras e outros materiais 

A Alfa I será um "híbrido de predominância indica com um conteúdo de tetrahidrocannabinol (THC) médio-baixo e alto conteúdo de canabidiol", segundo o comunicado. No total, a Alfa I contará com uma média de 2% de THC.

Enquanto isso, a Beta I terá uma predominância de sativa, também com um conteúdo de THC médio-baixo e um alto conteúdo de canabidiol.

Segundo o Ircca, estas variedades com predominância de sativa contam com "efeitos psicoativos que se manifestam principalmente a nível cerebral".

O organismo informou que até 10 de julho de 2017 eram 4.711 as pessoas registradas para poder comprar maconha recreativa de forma legal e através de farmácias. Desse total, 60% residem em Montevidéu, enquanto os outros 40% correspondem aos outros 18 departamentos (províncias) do país.

"Por sua vez, 70% dos inscritos são homens e 30% mulheres", apontou a instituição.

Canadá legalizará consumo e venda de maconha para fins recreativos em julho de 2018

Argentina libera uso medicinal de maconha

Maconha pode rejuvenescer cérebro, diz estudo

 

A maior proporção de pessoas registradas no Ircca ronda entre os 30 e 44 anos. No entanto, também foram registradas pessoas maiores de 45 anos, ainda que em menor medida, que já correspondem a 3 de cada 10 inscritos. As pessoas registradas entre 18 e 29 anos são 3 de cada 10, detalhou o comunicado do Ircca.

Uma vez que comece a venda, as pessoas registradas poderão ter acesso à substância legal em farmácias sem a necessidade de revelar nenhum tipo de informação pessoal, já que poderão comprar através da impressão digital. Os dados das pessoas registradas estão guardados "sob os mais altos padrões de segurança informática", informou o Ircca.

A erva poderá ser adquirida nas farmácias em embalagens de 5 ou 10 gramas, ainda que na etapa inicial só será disponível o primeiro dos dois, a um custo aproximado de US$ 1,30 (cerca de R$ 6) o grama. Cada indivíduo poderá comprar um máximo de 10 gramas por semana e de 40 gramas por mês.

O preço é formado com US$ 0,90 por grama para a empresa produtora e, acima desse custo, a farmácia receberá 20% e o Ircaa 10%, que destinará a programas de prevenção do uso de drogas.

Com a implementação desta medida, o Uruguai completará a regulamentação da lei de produção, comercialização e distribuição de maconha que foi aprovada em dezembro de 2013.

Depois de três anos e meio, o país sul-americano se transformará na primeira nação do mundo a regular do começo ao fim a venda de maconha para uso recreativo. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias