Com Netanyahu, Macron critica ocupação israelense e pede retomada de negociações com palestinos

Presidente francês recebeu premiê israelense em Paris para homenagem a judeus deportados pelo regime de Vichy em 1942; Esplanadas das Mesquitas é reaberta por Israel após 48 horas de interdição

O presidente da França, Emmanuel Macron, pediu neste domingo (16/07), ao lado do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, a retomada das negociações entre israelenses e palestinos em vista de uma “solução de dois Estados”. O líder francês também reiterou a posição contrária de seu país à colonização israelense de territórios palestinos, que tem se intensificado nos últimos meses sob o Executivo de Netanyahu.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“A França está pronta para apoiar todos os esforços diplomáticos” para uma nova negociação, disse Macron, reforçando que israelenses e palestinos devem poder "viver lado a lado em fronteiras seguras e reconhecidas, com Jerusalém como a capital".

Durante o primeiro encontro bilateral entre os dois líderes, o mandatário francês também criticou a ocupação israelense e a construção de assentamentos judaicos em territórios palestinos, lembrando o respeito ao “direito internacional”. A ocupação e as colônias judaicas em terras palestinas são consideradas ilegais perante leis internacionais.

As negociações entre os dois povos estão paradas desde o fracasso na mediação dos Estados Unidos em 2014. Recentemente, Macron recebeu o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas. Na ocasião, ele também reiterou o apoio à solução de dois Estados.

Netanyahu, por sua vez, afirmou que "os palestinos se negam a reconhecer um Estado judeu independente" e disse que tinha transmitido a Macron a inquietação israelense "diante de qualquer forma de agressão" por parte do grupo extremista Estado Islâmico e do Irã.

Sobre este último ponto, Macron garantiu ao premiê israelense sua "vigilância" para o cumprimento "estrito" por parte do Irã do acordo assinado em 2015 com o Grupo 5+1 (integrado pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha) pelo qual a república islâmica se comprometeu a não desenvolver tecnologia nuclear com fins militares.

Agência Efe

Benjamin Netanyahu, premiê de Israel, e Emmanuel Macron, presidente da França, falam à imprensa após reunião em Paris (16/07)

Morre aos 89 anos Simone Veil, política francesa e ícone do feminismo europeu

França vai banir todos os carros movidos a gasolina e diesel até 2040

'Nada vai separar EUA e França', diz Macron

 

Macron convidou o premiê israelense a Paris para participar na manhã de hoje das homenagens no 75º aniversário das operações policiais que as forças da ordem francesa fizeram em julho de 1942, durante o regime de Vichy, que colaborava com os nazistas, quando mais de 13 mil judeus, entre eles mais de 4 mil crianças, foram detidos pelos agentes franceses.

Quase todos esses judeus foram deportados para o campo de extermínio de Auschwitz, na Polônia, onde foram assassinados.

Israel reabre Esplanada das Mesquitas após mais de 48 horas de interdição

O governo de Israel reabriu neste domingo (16/07) a Esplanada das Mesquitas em Jerusalém, após mais de 48 horas de fechamento. Diversos detectores de metal foram instalados como medida de segurança depois de um ataque na Cidade Antiga.

O ministro de Segurança Pública de Israel, Gilad Erdan, explicou horas antes à imprensa que alguns dos portões destinadas ao acesso dos muçulmanos "continuarão fechados hoje" e acrescentou que pretende instalar detectores de metal "o mais rápido possível".

"As portas [com detectores] servirão para prevenir qualquer ataque como o de sexta-feira", afirmou Rosenfeld. Além disso, ele reconheceu não saber ainda o número exato de dispositivos instalados, mas confirmou que Israel aumentará as unidades policiais nos arredores da Esplanada e na Cidade Antiga, além das câmeras de vigilância.

Na última sexta-feira (14/07), três homens palestinos abriram fogo contra dois agentes da polícia de Israel, que não resistiram e morreram. Os agressores também foram mortos. Após o atentado, a polícia de Israel prendeu oito suspeitos de terem ligação com os palestinos. 

 

*Com Agência Efe e ANSA

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Protesto anti-Trump acaba em confronto no Líbano

Violência segue intensa no Oriente Médio após decisão americana de reconhecer Jerusalém. Policiais reprimem manifestação perto da embaixada americana em Beirute e, na cidade disputada, oficial israelense é esfaqueado