Seul propõe a Pyongyang conversas militares para reduzir tensão entre Coreias

Coreia do Sul ainda aguarda resposta do Norte sobre a realização do encontro, que aconteceria na próxima sexta na zona desmilitarizada na fronteira entre os dois países

O governo da Coreia do Sul propôs nesta segunda-feira (17/07) a Pyongyang realizar ainda nesta semana – na sexta-feira, dia 21 - conversas militares pela primeira vez em quase três anos para reduzir a tensão em torno da fronteira que separa ambos os países.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Seul propôs que a reunião aconteça na chamada Zona de Segurança Conjunta (JSA, na sigla em inglês), que fica na zona desmilitarizada que funciona como divisão entre Norte e Sul, afirmou em coletiva de imprensa o vice-ministro de Defesa Suh Choo-suk.

"Conversações e cooperação entre as Coreias para aliviar as tensões e trazer paz à Península da Coreia será algo fundamental para impulsionar um ciclo mútuo e virtuoso nas relações bilaterais e no problema do programa nuclear norte-coreano", afirmou o ministro sul-coreano para a Unificação, Cho Myoung-gyon.

Seul realiza novas manobras com mísseis em resposta a teste norte-coreano

O que Trump vai fazer em relação à Coreia do Norte? Evitar a 3ª Guerra Mundial ou partir para o ataque?

Coreia do Norte diz que envio de 2 bombardeiros dos EUA à península é 'provocação'

 

Wikimedia Commons

Conversas aconteceriam na zona desmilitarizada na fronteira entre os dois países

A proposta - alinhada com a oferta de diálogo planejada recentemente pelo novo presidente sul-coreano, Moon Jae-in, em um discurso pronunciado em Berlim - foi feita em um momento marcado pelo aumento da tensão na península coreana com os insistentes testes de armas de Pyongyang.

Seul ainda aguarda a resposta de Pyongyang sobre a realização do encontro.

A China, país que possui laços estreitos com a Coreia do Norte, elogiou a iniciativa de Seul. "Esperamos que as Coreias do Norte e do Sul possam trabalhar duro numa direção positiva para romper com os impasses e retomar o diálogo e as discussões", afirmou Pequim.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias