Índia vota entre dois 'intocáveis' para presidente

Deutsche Welle
Eleição visa a conquistar os dalits para ampliar base eleitoral do premiê Narendra Modi; cargo de chefe de Estado é meramente representativo, e pleito deve ter pouco impacto para membros da marginalizada casta

Legisladores e representantes dos estados indianos votaram nesta segunda-feira (17/07) para escolher um novo presidente, numa eleição que o primeiro-ministro Narendra Modi descreveu como "histórica" e que poderá reforçar seu poder. Os dois candidatos são originários da marginalizada casta dalit, historicamente a mais baixa do sistema de castas indiano e cujos membros antigamente eram conhecidos como "intocáveis".


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O resultado da eleição, realizada entre quase cinco mil membros da Lok Sabha (Câmara Baixa), da Rajya Sabha (Câmara Alta) do Parlamento e das assembleias regionais (compostas por representantes dos estados indianos), deverá ser anunciado nesta quinta-feira (20/07).

O ex-governador do estado de Bihar (norte) Ram Nath Kovind é o candidato da frente liderada pelo Bharatiya Janata Party (BJP) de Modi. Ele é considerado o favorito na corrida, por causa do peso do BJP e de seus aliados no colégio eleitoral. Segundo estimativas do próprio partido e da imprensa indiana, Kovind deverá receber cerca de 70% dos votos.

A principal rival do ex-advogado de 71 anos é Meira Kumar, de 72 anos, igualmente uma dalit e ex-presidente do Parlamento da Índia (2009-2014), do qual foi a primeira líder mulher. Filha do ativista Babu Jagjivan Ram, Kumar foi diplomata antes de entrar para a política, em 1985.

Partido de Macron vence 1º turno das eleições legislativas na França

Partido de Macron conquista maioria absoluta nas eleições legislativas da França

May fecha acordo com partido ultraconservador da Irlanda do Norte para ter maioria no Reino Unido

 

Reuters/A. Dave

O ex-governador do estado de Bihar Ram Nath Kovind, é considerado o favorito na corrida

Tradicionalmente, o eleitorado do BJP é composto pelas castas mais altas do sistema indiano, mas os nacionalistas buscam apoios entre os eleitores da comunidade dalit para ampliar a sua base eleitoral. Conquistar parte dos 200 milhões de dalits (de uma população total de 1,3 bilhão de pessoas), social e economicamente marginalizados, se tornou crucial para Modi. Nas eleições legislativas de 2019, o premiê quer concorrer a um segundo mandato e enfrenta resistência dos eleitores muçulmanos, que compõem cerca de 14% da população indiana.

O posto de presidente é sobretudo representativo na Índia, quem detém o poder é o primeiro-ministro. Mas o presidente pode devolver alguns projetos de lei para reavaliação e também tem papel de orientador nos processos de formação de governos.

Apesar de a Constituição da Índia independente ter abolido oficialmente a discriminação de castas, a comunidade dalit ainda é alvo de preconceito: seus membros costumam ter acesso à educação e outros direitos fundamentais negados, além de serem frequentemente encarregados de trabalhos vistos como "impuros", como a limpeza de excrementos e de cadáveres de animais.

Segundo observadores, a falta de representatividade dos dois candidatos a presidente no seio da comunidade dalit deve fazer com que não haja muitas mudanças em favor de uma das parcelas mais pobres da população no país.

Se for eleito, Kovind será o segundo presidente dalit, após K. R. Narayanan (1997-2002). O 15º presidente desde que a Índia se tornou independente dos britânicos, em 1947, tomará posse de suas funções na próxima terça-feira (25/07), substituindo Pranab Mukherjee.

RK/dpa/afp/efe

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias