Economia da China cresce 6,9% no segundo trimestre de 2017

Aumento foi levemente superior ao esperado pelos analistas, que previam 6,8%; empresas estatais investiram 12% a mais do que nos primeiros seis meses de 2016, enquanto o setor privado subiu 7,2%

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 6,9% durante o segundo trimestre do ano, cerca de 0,2 pontos percentuais a mais do que o mesmo período de 2016, informou o Escritório Nacional de Estatísticas nesta segunda-feira (17/07).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi


A economia chinesa manteve o impulso de seu crescimento e teve um aumento levemente superior ao esperado pelos analistas, que previam 6,8%.

Um dos principais motivos pelos quais o PIB cresceu está o fato de que as empresas estatais investiram 12% a mais do que nos primeiros seis meses de 2016, enquanto o setor privado subiu 7,2%.

No início do ano, o governo chinês estabeleceu um objetivo de crescimento em torno de 6,5%, depois de em 2016 atingir 6,7%, considerado o valor mais baixo dos últimos 25 anos.

Agência Efe

Trânsito no centro de Pequim, capital da China: governo chinês estabeleceu um objetivo de crescimento em torno de 6,5% para 2017

Poder de compra dos trabalhadores da Argentina diminuiu desde início do governo Macri, diz estudo

Grécia e Espanha têm maiores taxas de desemprego da UE; República Tcheca e Alemanha, as menores

Empresa chinesa inaugura estação de energia solar em formato de panda

 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias