Aos 85 anos, capitão da Revolução dos Cravos defende tese de doutorado sobre descolonização

Pedro de Pezarat Correia foi um dos 'capitães de abril' que participaram do Movimento das Forças Armadas e derrubaram a ditadura salazarista em Portugal em 1974; ex-militar é orientando do deputado José Manuel Pureza

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Aos 85 anos de idade, Pedro de Pezarat Correia, um dos capitães do movimento que liderou a Revolução dos Cravos, que levou à derrubada da ditadura salazarista em Portugal em abril de 1974, defenderá nesta quarta-feira (19/07) sua tese de doutorado em Relações Internacionais na Universidade de Coimbra.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Com o título “Descolonização: do proto-nacionalismo ao pós-colonialismo”, Correia aborda os processos de descolonização do ponto de vista do colonizado que, segundo o autor, “é o verdadeiro protagonista de todos os processos de descolonização, desde a luta pela libertação à independência, e até mesmo em todas as contradições que advém da construção e afirmação dos novos países”.

A tese, que levou três anos para ficar pronta, usará como exemplo a independência de Angola, colônia portuguesa desde 1575 que conquistou a independência em 1975.

Reprodução/Youtube

Pezarat Correia foi um dos "capitães de abril" que participaram da Revolução dos Cravos  em 1974

Em Portugal, projeto promove arte urbana e inclusão levando idosos às ruas para grafitar

Portugal tem melhor crescimento trimestral em 10 anos e PIB registra aumento de 2,8%

Incêndio em Portugal causou prejuízo equivalente a R$ 1,8 bi, diz governo do país

 

Pezarat Correia integrou o MFA (Movimento das Forças Armadas) e ficou conhecido como um dos “capitães de abril”, em referência ao mês em que a Revolução de 1974 aconteceu. Participou da independência angolana como representante do MFA e afirma que isso se reflete agora em sua tese como “um percurso completo de vida”.

O orientador de Correia, o deputado do Bloco de Esquerda (BE) e professor universitário José Manuel Pureza, disse que é “uma enorme satisfação pessoal” desempenhar esse papel, mas que não poderia falar mais sobre o tema antes da banca examinadora.

Para assistir a defesa da tese de Correia foram convidados outros ex-militares ligados à Revolução de Abril, entre eles Antonio Ramalho Eanes, que em 1976 se tornou o primeiro presidente democraticamente eleito em Portugal após a derrubada do regime salazarista. 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Os supersalários das Forças Armadas

Nossa reportagem levantou todos os salários de militares e encontrou centenas acima do teto, indenizações de mais de R$ 100 mil e valores milionários pagos no exterior