Venezuela acusa Colômbia e México de conspirar com CIA contra Maduro

Chanceler venezuelano publicou supostas declarações de diretor da CIA, Mike Pompeo, sobre reuniões em Bogotá e na Cidade do México para tratar de ações contra Caracas

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Samuel Moncada, acusou nesta segunda-feira (24/07) os governos da Colômbia e do México de trabalhar com a CIA (Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos) para derrubar o presidente venezuelano, Nicolás Maduro.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"O chefe da CIA assegura que trabalha com Colômbia e México para derrubar o governo democrático da Venezuela", escreveu Moncada em sua conta oficial do Twitter. 

O ministro publicou um fragmento de uma suposta transcrição de uma conversa entre a diretora-executiva da consultoria venezuelana Asymmetrica, Vanessa Neumann, e o diretor da CIA, Mike Pompeo, em que foi o agente destacou o interesse norte-americano em garantir que a Venezuela seja um país "estável e democrático".

"Cada vez que temos um país tão grande, e com a capacidade econômica de um país como a Venezuela, os Estados Unidos têm profundos interesses em garantir que o país esteja tão estável e democrático quanto seja possível", disse o diretor da CIA.

No documento divulgado, Pompeo afirma que tem realizado reuniões no México e na Colômbia sobre o assunto. "Acabo de estar na Cidade do México e em Bogotá na semana passada falando sobre este tema precisamente; tentando ajudá-los a entender as coisas que poderiam fazer para alcançar melhores resultados para o seu canto do mundo e nosso canto do mundo", diz o diretor da CIA segundo o texto.

Agência Efe

Samuel Moncada, chanceler da Venezuela: 'Embaixada dos EUA anuncia outra onda de violência que depois defende na OEA como manifestações pacíficas'

Venezuela: após plebiscito informal, oposição anuncia acordo para 'governo de união nacional'

Países da Alba rechaçam, em comunicado, ameaça de sanções dos EUA contra Venezuela

Maduro pede diálogo com oposição e se diz 'pronto' para chegar a acordo de paz na Venezuela

 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse recentemente que iria impor novas sanções econômicas contra a Venezuela se Maduro continuasse com sua decisão de realizar a Assembleia Nacional Constituinte. 

Nesta semana, a oposição venezuelana pretende realizar mais uma série de protestos, às vésperas das eleições para a Constituinte, agendadas para o próximo dia 30 de julho. Na quarta e quinta-feira, a oposição prometeu realizar uma greve geral de dois dias. 

A embaixada norte-americana na Venezuela recomentou aos cidadãos dos EUA evitar as manifestações e acompanhar o desenrolar dos acontecimentos, segundo outro documento publicado por Moncada. "A Embaixada dos EUA anuncia outra onda de violência que depois defende na OEA [Organização dos Estados Americanos] como manifestações pacíficas", escreveu o chanceler.

 

*Com Sputnik

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Justiça da UE condena Alemanha por poluição da água

Tribunal de Justiça da União Europeia considera que Berlim não fez o suficiente para deter contaminação de águas subterrâneas por nitrato; índices continuam altos apesar de leis mais severas para fertilizantes agrícolas