China vai construir 'vila marciana' no oeste do país para simular território de Marte

Localizada na província de Qinghai, área escolhida tem 9,5 milhões de km² desertificados com características similares às do planeta

A China anunciou a construção de um espaço que simulará o território de Marte. A “Vila Marciana” será construída na região mongol-tibetana de Haixi, localizada na província de Qinghai, a 2170 km de distância a oeste da capital Pequim.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo o Centro de Investigação da Lua e Espaço Profundo da Academia Chinesa de Ciências (SACMDE), o projeto funcionará para pesquisas e simulações de experimentos científicos.

Com pouca vegetação, a região possui uma área desertificada com 9,5 milhões de km², compondo uma paisagem “particularmente parecida com as do planeta Marte”, disse Liu Xiaoqun, diretor do SACMDE, ao justificar a escolha da área.

Rússia e China apresentam plano conjunto para solucionar crise na península coreana

Empresa chinesa inaugura estação de energia solar em formato de panda

Economia da China cresce 6,9% no segundo trimestre de 2017

 

Segundo o diretor, a “Vila Marciana” pode funcionar como ponto turístico e se tornar atrativo para a economia da região de Qinghai. Além disso, Xiaoqun espera que o espaço se torne um referencial de educação sobre Marte.

Reprodução/CGTN

Segundo Academia Chinesa de Ciências, projeto funcionará para pesquisas e simulações de experimentos; na foto, a área onde deve ser construída a Vila Marciana

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias