China inaugura na costa leste da África sua primeira base militar estrangeira

País inaugurou base em ocasião do 90º aniversário do Exército de Libertação Popular, as forças armadas chinesas; Djibuti, situado no Chifre da África, já sedia bases dos EUA, da França e do Japão

A China inaugurou nesta terça-feira (01/08) no Djibuti, na costa leste da África, sua primeira base militar permanente no exterior. O país africano já sedia a única base militar dos Estados Unidos no continente.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A inauguração da base ocorreu no 90º aniversário do Exército de Libertação Popular (ELP), as forças armadas da China. Cerca de 300 pessoas estiveram presentes no evento, entre as quais o ministro da Defesa do Djibuti e o subcomandante da Armada chinesa Tian Zhong, informou a imprensa oficial chinesa.

De acordo com Pequim, a base militar no Djibuti servirá para apoiar missões antipirataria, de manutenção da paz e assistência humanitária na África e na Ásia ocidental. No começo de julho, vários navios da Marinha chinesa se encaminharam para o país africano, levando tropas do ELP para a base.

Na celebração do 90º aniversário do exército chinês, o presidente do país, Xi Jinping, aproveitou para reivindicar o papel das forças armadas e advertir que a China está pronta para "lutar contra qualquer invasão estrangeira".

Agência Efe

Tropas chinesas durante desfile na Mongólia em celebração aos 90 anos do Exército de Libertação Popular (30/07)

Empresa chinesa inaugura estação de energia solar em formato de panda

Economia da China cresce 6,9% no segundo trimestre de 2017

China vai construir 'vila marciana' no oeste do país para simular território de Marte

 

Em um discurso no Grande Palácio do Povo em Pequim, a sede do Legislativo, Xi considerou que o exército devolveu a honra à China como uma grande potência e enfatizou que as forças armadas têm papel importante na manutenção da paz mundial.

Desde que a China manifestou seu interesse em abrir uma instalação deste tipo no final de 2015, o governo em Pequim insistiu reiteradamente que não se trata de uma expansão militar, mas de uma instalação para atividades internacionais e proteção das vias de comércio marítimo.

A abertura da base também é um sinal da expansão do alcance das forças armadas chinesas, que acompanham a crescente influência da China no continente africano. Pequim é o principal parceiro comercial de países da África, de onde importa grande parte das matérias-primas de que precisa.

Segunda maior economia do mundo – superada apenas pelos Estados Unidos – e país mais populoso do planeta, a China não tinha uma presença militar permanente fora do país desde a Guerra da Coreia (1950-53).

O Djibuti, um pequeno país de cerca de 900 mil habitantes, se situa entre Eritreia, Etiópia e Somália, no chamado Chifre da África. O país tem bases militares de França, EUA e Japão, devido a sua localização estratégica ao sul do mar Vermelho, que fica entre a África e a península Arábica.

 

*Com Agência Efe

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP

XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP
Este ano, o evento traz à tona discussões que têm pautado o cenário internacional contemporâneo. Os debates tentam construir o diálogo com assuntos específicos que se entrelaçam por diversas áreas e circunscrevem a globalização. Serão abordadas: políticas migratórias; política externa brasileira; conflito e defesa - segurança privada; saúde pública no âmbito internacional: a questão da fome para além do conflito; futuro dos Acordos Preferenciais de comércio, frente a saída dos EUA dos TPP; entre outras questões. 
 
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias