Governo Trump está avaliando opções para tirar Maduro do poder, diz secretário de Estado dos EUA

Washington pretende fazer Maduro sair 'por vontade própria' ou os EUA irão 'devolver os processos de governo à sua ordem constitucional' na Venezuela; 'ameaça descarada', disse Samuel Moncada, embaixador de Caracas na OEA

Atualizada às 13:37

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, afirmou nesta quarta-feira (02/08) que seu país “está avaliando as opções” que levem à saída de Nicolás Maduro da Presidência da Venezuela.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Estamos avaliando todas as nossas opções de políticas para criar uma mudança de condições [na Venezuela], seja levando Maduro a concluir que não tem futuro e fazendo com que ele saia por vontade própria, ou nós podemos devolver os processos de governo à sua ordem constitucional", afirmou Tillerson à imprensa.

O secretário de Estado disse também que os EUA tentaram “se aproximar” da Venezuela por meio de organismos como a OEA (Organização dos Estados Americanos). “O que queremos ver na Venezuela é o retorno a sua Constituição, a realização de eleições e que o povo venezuelano tenha voz em um governo que mereça”, disse.

Maduro diz que sanções demonstram 'ódio' e 'impotência' de Trump

Não há nuances na Venezuela: ou se está de um lado, ou de outro

Acusação de fraude é 'irresponsável' e 'sem fundamento', diz órgão eleitoral da Venezuela

 

Agência Efe

Rex Tillerson, secretário de Estado dos EUA: 'Estamos avaliando todas as nossas opções de políticas para criar uma mudança de condições' na Venezuela, afirmou

Washington não reconhece a eleição realizada no último domingo (30/07) para a Assembleia Constituinte, na qual votaram mais de 8 milhões de venezuelanos, segundo o CNE (Conselho Nacional Eleitoral). Tillerson disse que o pleito “aconteceu como esperávamos” e que os EUA estão “muito preocupados” com a possibilidade de novos episódios de violência no país.

O embaixador da Venezuela na OEA, Samuel Moncada, repercutiu, em seu Twitter, o comentário de Tillerson. Segundo ele, o secretário de Estado dos EUA “trabalha para derrubar o presidente venezuelano, Nicolás Maduro": "CIA contra Venezuela: Secretário Tillerson impunemente trabalha para derrubar o presidente Maduro. Coalizão do mal arremete contra a democracia”.

O diplomata e ex-chanceler venezuelano classificou esta como “a mais descarada das ameaças dos EUA contra a Venezuela desde 1902”, chamando de “loucura do império”. Moncada lembrou também que Tillerson era chefe da petroleira norte-americana Exxon Mobil Corporation e que “agora usa o império para assaltar o petróleo do povo”, afirmou.

Desde meados de julho o governo de Donald Trump vinha ameaçando o governo Maduro com sanções em uma tentativa de pressionar o presidente venezuelano a suspender a eleição para a Constituinte. No dia seguinte à eleição, Washington impôs sanções contra Maduro, acrescentando-o a uma lista de 29 funcionários ou ex-funcionários de governos chavistas sancionados pelos EUA.

A sanção significa que todos os ativos do presidente venezuelano sujeitos à jurisdição dos EUA estão congelados e que todos os norte-americanos estão proibidos de fazer qualquer transação com Maduro.
 
O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, afirmou em comunicado que “a eleição ilegítima de ontem [domingo] confirma que Maduro é um ditador que desconsidera a vontade do povo venezuelano”. “Ao sancionar Maduro, os EUA deixam clara nossa oposição às políticas deste regime e nosso apoio ao povo da Venezuela que busca devolver uma democracia plena e próspera a seu país”, acrescentou.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP

XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP
Este ano, o evento traz à tona discussões que têm pautado o cenário internacional contemporâneo. Os debates tentam construir o diálogo com assuntos específicos que se entrelaçam por diversas áreas e circunscrevem a globalização. Serão abordadas: políticas migratórias; política externa brasileira; conflito e defesa - segurança privada; saúde pública no âmbito internacional: a questão da fome para além do conflito; futuro dos Acordos Preferenciais de comércio, frente a saída dos EUA dos TPP; entre outras questões. 
 
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias