Israel anuncia que vai encerrar operações da emissora Al Jazeera no país

Premiê israelense, Benjamin Netanyahu já afirmou que emissora do Catar 'instiga a violência' por sua cobertura crítica ao tratamento de Israel aos palestinos; Federação Internacional de Jornalistas criticou 'ataque à liberdade de imprensa'

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O governo de Israel anunciou neste domingo (06/08) que pretende fechar os escritórios da emissora Al Jazeera em Jerusalém e revogar todas as credenciais dos jornalistas do canal "em breve".


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em um comunicado assinado pelo ministro das Comunicações, Ayub Kara, o governo afirma que a medida também afetaria a versão em inglês de uma das maiores emissoras do mundo árabe.

A tensão entre as duas partes se acirrou por dois motivos. A primeira razão é pela acusação de diversos países árabes de que a emissora do Catar "patrocina" grupos terroristas, em um boicote que já dura semanas ao governo daquele país.

O segundo tem a ver com a cobertura da Al Jazeera dos recentes conflitos entre palestinos e israelenses na Esplanada das Mesquitas – ou Monte do Templo para os judeus. A emissora catariana tem uma linha editorial de apoio à Palestina. Recentemente, Benjamin Netanyahu, premiê de Israel, acusou a Al Jazeera de "incitar a violência" com sua cobertura crítica ao tratamento do governo israelense aos palestinos.

"Estamos para adotar algumas medidas para evidenciar a nossa luta contra o terrorismo e contra o Islã extremista, além de nosso apoio ao mundo árabe", disse Kara ressaltando que, para excluir a emissora, precisará haver uma aprovação de uma nova lei. Caso essa nova legislação não seja aprovada, Israel deve fazer o que "está ao seu alcance" e revogar as credenciais de quem trabalha na empresa.

"Chegamos à conclusão que a segurança e a preservação de nossos cidadãos prevalecem sobre a liberdade de expressão. A liberdade de expressão não pode jamais ser a liberdade de incitação. A democracia também tem seus limites", acrescentou.

Agência Efe

Redação da emissora Al Jazeera em Jerusalém; Israel anunciou que irá revogar credenciais de jornalistas da emissora no país

Iêmen, um país à beira da catástrofe humanitária

Com Netanyahu, Macron critica ocupação israelense e pede retomada de negociações com palestinos

Presidente palestino anuncia suspensão de toda comunicação oficial com Israel

 

Desde o dia 5 de junho, o Catar e as empresas do país sofrem com um bloqueio de vários países árabes, liderados pela Arábia Saudita, que acusam o governo daquela nação de apoiar grupos terroristas – o que Doha nega.

Federação Internacional de Jornalistas critica Israel

A Federação Internacional de Jornalistas (IFJ) classificou nesta segunda-feira (07/08) como “caça às bruxas” a decisão do governo de Israel de fechar os escritórios da Al Jazeera em Jerusalém.

"A decisão das autoridades israelenses de fechar os escritórios Al Jazeera em Jerusalém e retirar as credenciais dos seus jornalistas sob uma acusação geral de apoiar a violência é um ataque à liberdade de imprensa e à liberdade da informação", declarou o presidente da IFJ, Philippe Leruth, em comunicado.

Segundo a IFJ, as autoridades israelenses podiam ter exercido o seu "direito a réplica" no caso de considerar que "alguma informação difundida pela Al Jazeera era errônea".

"Ao decidir não fazer isto e, por outro lado, se somar à campanha internacional contra a Al Jazeera, dão a impressão de que o que querem é silenciar uma voz que não os agrada, o que é contrário aos valores democráticos que representam", acrescentou a Federação.

A IFJ destacou que o Sindicato de Jornalistas Palestino, filiado a eles, denunciou que a decisão de Israel é "uma grave violação da liberdade de expressão e do direito dos jornalistas a trabalhar".

 

*Com ANSA e Agência Efe

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Os supersalários das Forças Armadas

Nossa reportagem levantou todos os salários de militares e encontrou centenas acima do teto, indenizações de mais de R$ 100 mil e valores milionários pagos no exterior