Departamento de Agricultura dos EUA ordena que funcionários parem de usar termo 'mudança climática'

Ordem, identificada em uma série de e-mails obtidos pelo jornal britânico The Guardian, foi emitida no mês de fevereiro e troca termo por 'temperaturas extremas'

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Um dos conceitos mais aterradores de 1984, obra de George Orwell, é a novilíngua. Na distópica Londres do escritor britânico, o governo autoritário se esforça para eliminar expressões e palavras, substituindo-as por outras mais simples. O objetivo, no romance, é controlar o pensamento da população, eliminando e tergiversando sobre conceitos representados por estas palavras.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Nos Estados Unidos, o Departamento de Agricultura ordenou que seus funcionários deixassem de usar, entre outros, o termo "mudança climática". A ordem foi identificada em uma série de e-mails obtidos pelo jornal britânico The Guardian. Foi emitida no mês de fevereiro e assinada por Bianca Mobius-Clune, diretora de qualidade do solo do Serviço Nacional de Conservação de Recursos (NCRS), a unidade que se dedica à supervisão do setor agrário do país.

No e-mail, ordena-se que os empregados evitem a expressão "mudança climática" e a substituam por "temperaturas extremas". Além disso, há outras palavras e termos proibidos pela agência como "adaptação à mudança climática", que passa a ser "resiliência frente a temperaturas extremas", ou "redução de emissão de gases de efeito estufa", que se converte em "construção de matéria orgânica".

Aprovação de Trump atinge novo mínimo, mostra pesquisa

Brasil abandonou liderança da América do Sul para se alinhar aos EUA, diz pesquisadora

Trump ameaça 'fogo e fúria' contra Coreia do Norte após relatos de que país tem míssil nuclear

 

Agência Efe

Governo Trump ordenou que termo 'mudança climática' deixe de ser usado em documentos do Departamento de Agricultura

Em outro dos e-mails obtidos pelo Guardian, Kimmy Bramblett, subdiretor de programas da NCRS, informa os gestores e gerentes de nível médio da agência que devem dirigir as equipes sob sua supervisão no sentido do novo Executivo dos EUA. "Está claro que uma das prioridades da administração anterior não é consistente com as da nova administração. Especificamente, esta prioridade é a mudança climática", diz Bramblett no e-mail, pedindo a eles que informem seus encarregados sobre "esta mudança de perspectiva do Poder Executivo".

Causa, consequência e solução

Os agricultores são um dos setores mais céticos em relação à ciência que estuda a mudança climática nos EUA. Segundo um estudo da Universidade de Purdue, somente 8% deles aceitam o consenso científico internacional apontando para a responsabilidade da emissão de gases de efeito estufa. Além disso, um terço dos produtores agrícolas não considera que o clima está mudando.

O setor agropecuário se encontra no centro da questão climática, pois é tanto uma das indústrias que mais contamina, como uma das vítimas mais evidentes. Assim mesmo, um novo modelo agrário mais sustentável é condição indispensável para amenizar os efeitos mais graves do aquecimento global. Segundo um informe do Grupo Interministerial de Especialistas sobre Mudança Climática da ONU, introduzir mecanismos de captura de carbono em solos agrícolas é "necessário para garantir níveis seguros de carbono atmosférico e mitigar a mudança climática".

(*) Publicado originalmente em La Marea, traduzido por Rede Brasil Atual

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias