EUA determinam novas sanções a 8 venezuelanos, incluindo irmão do ex-presidente Chávez

Governo da Venezuela ainda não se pronunciou sobre as novas sanções; na primeira rodada de medidas, Maduro disse que elas eram 'prova do ódio e da impotência' de Donald Trump

O Departamento do Tesouro americano impôs nesta quarta-feira (09/08) uma nova lista de sanções econômicas contra oito funcionários venezuelanos. Entre eles, está Adán Chávez, irmão do ex-presidente Hugo Chávez, que morreu em 2013, por seu papel no que Washington diz ser a "ilegítima" Assembleia Nacional Constituinte (ANC).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

As sanções, que congelam os ativos que estas pessoas possam ter em solo norte-americano, foram divulgadas uma semana depois de os Estados Unidos colocarem o presidente Nicolás Maduro na "lista negra" internacional.

Além de Adán Chávez, estão na lista Francisco Ameliach, Hermann Escarrá, Tania D'Amelio, Erika Farías Peña, Carmen Meléndez e Darío Vivas, membros da Assembleia Nacional Constituinte, e Vladimir Lugo, comandante da Unidade Especial do Palácio Federal Legislativo na Guarda Nacional Bolivariana, acusado de participar da repressão a manifestações de de Caracas.

"O presidente Maduro investiu nesta Assembleia Constituinte ilegítima para reforçar ainda mais a sua ditadura e continua aumentando o seu controle ao país. O desprezo do regime pela vontade dos venezuelanos é inaceitável e os Estados Unidos são contrários à tirania para que se restaure uma democracia pacífica e próspera", afirmou Steven Mnuchin, secretário do Tesouro dos Estados Unidos, em nota enviada aos meios de comunicação.

Trump ameaça 'fogo e fúria' contra Coreia do Norte após relatos de que país tem míssil nuclear

Em Caracas, Alba dá apoio a Maduro; em Lima, chanceleres de 17 países das Américas dizem 'desconhecer' Constituinte

 

Agência Efe

Steve Mnuchin, secretário do Tesouro dos EUA, foi o responsável pelas novas sanções contra venezuelanos

Reações

Os chavistas criticaram a medida. Aém disso, quando, na semana passada, elas atingiram Maduro, o presidente afirmou que elas eram a prova do “ódio” e da “impotência” do mandatário norte-americano Donald Trump.

"São algumas decisões que expressam sua impotência, seu desespero, seu ódio. Expressam o caráter do magnata que é o imperador dos EUA. Não obedeço a ordens imperiais de governos estrangeiros", disse Maduro em um discurso transmitido por rede nacional de televisão a partir da sede do CNE (Conselho Nacional Eleitoral).

O presidente venezuelano criticou mais uma vez os EUA por se comportarem de maneira imperial na América Latina e no Caribe, atacando os governos da região que não se dobram ao domínio do governo norte-americano. “Ele [Trump] dá ordens que devem ser obedecidas por seus súditos em suas terras imperiais na América Latina e no Caribe”, disse Maduro.

“Eu não obedeço ordens imperiais, não obedeço ordens de governos estrangeiros, nem hoje nem nunca”, afirmou. “Sancionem, imponham as sanções que queiram, mas o povo venezuelano decidiu ser livre e eu sou o presidente de um povo livre, soberano, orgulhoso, patriota, bolivariano e chavista”, enfatizou.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Olhar crítico desde a esquerda: a economia

Desafio estratégico para superar a condição de exportadores de commodities requer um processo de industrialização especializada para as exportações que permita dar o salto ao desenvolvimento produtivo e à independência econômica