Rússia não aceitará que Coreia do Norte tenha armas nucleares, diz chanceler de Putin

Para Serguei Lavrov, há 'excesso de retórica beligerante' entre Washington e Pyongyang; Rússia espera que 'bom senso prevaleça' e tem 'uma série de propostas', junto com a China, para prevenir o conflito entre EUA e Coreia do Norte

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, afirmou nesta sexta-feira (11/08) que Moscou não aceitará que a Coreia do Norte possua armas nucleares.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Lavrov fez a declaração ao comentar na TV russa a escalada da tensão entre o governo de Kim Jong-un e o governo de Donald Trump, nos Estados Unidos.

Segundo o chanceler, há um excesso de retórica beligerante sobre o programa nuclear e de mísseis da Coreia do Norte por parte de Washington e Pyongyang, e a Rússia espera que “o bom senso prevaleça”.

Lavrov observou que a Coreia do Norte assinou em 1968 o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, mas depois, em 2003, se retirou do pacto.

“Agora [a Coreia do Norte] diz que tem o direito legal de produzir armas nucleares e que já o fez. Mas nós sabemos nossa posição: não aceitaremos que a Coreia do Norte possua armas nucleares”, disse o chanceler.

MFA Rússia

Serguei Lavrov, ministro de Relações Exteriores da Rússia

Governo Trump está avaliando opções para tirar Maduro do poder, diz secretário de Estado dos EUA

Brasil abandonou liderança da América do Sul para se alinhar aos EUA, diz pesquisadora

Trump diz que ameaça de 'fogo e fúria' contra Coreia do Norte não foi 'dura o suficiente'

 

Tanto a Rússia quanto a China têm “uma série de propostas” para prevenir o que poderia se tornar “um dos conflitos mais sérios” e “uma crise com um grande número de vítimas”.

No começo de julho, Vladimir Putin, presidente russo, e Xi Jinping, presidente chinês, se encontraram em Moscou e apresentaram uma proposta para tentar diminuir as tensões na península coreana.

Os dois países pediram à Coreia do Norte que anunciasse de maneira voluntária "uma paralisação dos testes nucleares e de mísseis balísticos" e que "EUA e Coreia do Sul deixem de realizar manobras militares conjuntas em grande escala" na região.

Para Lavrov, o risco de que Washington e Pyongyang se agridam militarmente é alto. “Há ameaças direitas de envio de poder [militar]”, afirmou.

“O lado que é mais forte e mais inteligente” deveria dar o primeiro passo para diminuir as tensões, disse o chanceler russo.

A tensão entre EUA e Coreia do Norte segue elevada desde a posse de Trump, em janeiro passado. 

A novela ganhou novos capítulos nesta semana após o vazamento de relatórios da inteligência dos EUA e do Japão que indicam que a Coreia do Norte teria conseguido miniaturizar uma ogiva nuclear, passo crucial para armar seus mísseis intercontinentais com bombas atômicas.

Trump ameaçou responder com "fogo e fúria", e a Coreia do Norte respondeu anunciando que está planejando atacar Guam, território norte-americano no oceano Pacífico.

A ilha tem uma população de 160 mil pessoas e abriga duas bases militares norte-americanas. O objetivo da ação seria “mandar uma advertência” aos EUA, disse Pyongyang.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Olhar crítico desde a esquerda: a economia

Desafio estratégico para superar a condição de exportadores de commodities requer um processo de industrialização especializada para as exportações que permita dar o salto ao desenvolvimento produtivo e à independência econômica