Apenas 36% dos norte-americanos conseguem localizar Coreia do Norte no mapa, diz pesquisa

Quanto maior o conhecimento geográfico, maior a preferência por soluções diplomáticas à crise entre Pyongyang e Washington, indica estudo; na TV, norte-americanos dizem que país asiático é ameaça, mas não conseguem localizá-lo no mapa

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Segundo pesquisa encomendada pelo jornal The New York Times, quase dois terços dos norte-americanos não é capaz de localizar a Coreia do Norte em um mapa-múndi, e aqueles que conseguem tendem a preferir uma saída diplomática para a escalada de tensão entre Pyongyang e Washington.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A pesquisa, realizada com 1.746 adultos no fim de abril, concluiu que o conhecimento geográfico pode contribuir para uma maior compreensão da complexidade de eventos geopolíticos. 

Isso porque, entre os participantes, aqueles capazes de identificar a Coreia do Norte no mapa – 36% deles – tenderam a preferir o emprego de estratégias diplomáticas e não-militares na relação entre o país e os EUA. Aqueles que não sabiam apontar a localização da Coreia do Norte no mapa tenderam a preferir o uso de estratégias militares, inclusive o envio de tropas norte-americanas ao país.

A pesquisa foi divulgada no começo de julho pelo NYT, e dois experimentos recentes com pessoas nas ruas de Los Angeles e Nova York corroboraram o resultado da sondagem, apontou o site Sputnik.

O apresentador norte-americano Jimmy Kimmel enviou um repórter às ruas de Los Angeles, na costa oeste dos EUA, para tentar extrair a exata localização da Coreia do Norte junto a várias pessoas que eram questionadas se o governo norte-coreano representava uma ameaça ao país. As respostas foram muitas – e quase nenhuma correta.

Coreia do Norte diz que usará 4 mísseis para atacar Guam, ilha dos EUA no oceano Pacífico

Trump diz que ameaça de 'fogo e fúria' contra Coreia do Norte não foi 'dura o suficiente'

Rússia não aceitará que Coreia do Norte tenha armas nucleares, diz chanceler de Putin

 

“Não, este é o Canadá”, refutou o repórter a uma pessoa. “Não, aí está localizado o Oriente Médio”, esclareceu a outra. Houve até quem apontasse o Brasil.

Já nas ruas de Nova York, na costa leste dos EUA, os resultados não foram muito melhores quando um jornalista do RT tentou o mesmo experimento. “Não, esta é a Sibéria”, teve de responder o repórter em um dos casos.

O geógrafo Harm de Blij, citado pelo NYT, escreveu que a geografia é "um ótimo antídoto ao isolamento e ao provincianismo" e afirmou que a sociedade norte-americana é a "mais analfabeta geograficamente no planeta", o que constrasta com o fato de que "o poder dos EUA pode afetar países e povos ao redor do mundo".

"A falta de conhecimento geográfico significa que não há um contraponto a representações levianas de questões internacionais", disse ao jornal Alec Murphy, professor de geografia da Universidade de Oregon.

Reprodução

'Não, este é o Canadá': norte-americanos tentam encontrar a Coreia do Norte no mapa

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Os supersalários das Forças Armadas

Nossa reportagem levantou todos os salários de militares e encontrou centenas acima do teto, indenizações de mais de R$ 100 mil e valores milionários pagos no exterior