Membros da comunidade internacional tentam minar tentativa de diálogo na Venezuela, diz Rússia

'A paz na Venezuela depende, como sempre, da boa vontade de todas as partes de retomar o diálogo no âmbito da Constituição, sem nenhuma ingerência do exterior', diz chancelaria russa

Em comunicado divulgado nesta quinta-feira (10/08), o Ministério de Relações Exteriores da Rússia defendeu a Assembleia Constituinte na Venezuela e disse que membros da comunidade internacional avançam no desmantelamento da solução pacífica para a crise política que atravessa o país.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“De maneira contrária à lógica dos acontecimentos e seus próprios chamados à "democratização" na Venezuela dos processos dirigidos por algumas forças de política interna e externa, segue avançando, como antes, a linha destrutiva de desmantelamento das ferramentas do diálogo emergente e, de fato, devolve a situação às posições iniciais sem saída”, diz o comunicado.

“A paz na Venezuela depende, como sempre, da boa vontade de todas as partes de retomar o diálogo no âmbito da Constituição, sem nenhuma ingerência do exterior, de acordo com os esforços de reconciliação política para formação de uma agenda unificadora”, afirma.

Agência Efe

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov

Venezuela critica 'uso político' de órgão de direitos humanos da ONU

Em carta a Maduro, Raúl reafirma apoio cubano à Venezuela: 'cada golpe fortalece a unidade'

Rússia não aceitará que Coreia do Norte tenha armas nucleares, diz chanceler de Putin

 

Veja a nota na íntegra:

Os acontecimentos na Venezuela e ao redor do país continuam atraindo uma grande atenção da Comunidade Internacional. A realidade determinante do momento atual: a formação de um novo órgão supremo no país, segundo os resultados das eleições do dia 30 de julho, a "Assembleia Nacional Constituinte" e a posta em marcha prática de sua atividade. Por tanto, estão dadas as bases dos novos marcos institucionais da vida política interna do país que abrem, em nossa opinião, a possibilidade de promover a estabilização na Venezuela.

Nas condições atuais, como nunca antes, é necessário um sinal da comunidade internacional de apoio à solução pacífica da crise prolongada através do restabelecimento de uma atmosfera de confiança e o retorno do diálogo direto entre as partes em conflito. Por desgraça, frequentemente vemos o contrário.

De maneira contrária à lógica dos acontecimentos e seus próprios chamados à "democratização" na Venezuela dos processos dirigidos por algumas forças de política interna e externa, segue avançando, como antes, a linha destrutiva de desmantelamento das ferramentas do diálogo emergente e, de fato, devolve a situação às posições iniciais sem saída. Desde outra ótica, é pouco provável que seja possível valorizar a obsessão demonstrada por vários países de aplicar sanções unilaterais, medidas de restrições de isolamento, métodos de pressão e de ultimato contra Caracas. Não acreditamos que tais ações funcionem.

Estamos convencidos de que o caminho rumo à solução política interna da Venezuela, está na intensificação dos elementos construtivos, nos enfoques que se fundamentariam, não nos lamentos sobre o não realizado, mas levando em consideração as novas realidades que se formam na Venezuela, como ponto de partida para seguir adiante com o objetivo de buscar as áreas do consenso nacional e a resolução dos problemas nacionais. Não há mais alternativa que realizar negociações responsáveis e diretas entre o governo e a oposição.

A paz na Venezuela depende, como sempre, da boa vontade de todas as partes de retomar o diálogo no âmbito da Constituição, sem nenhuma ingerência do exterior, de acordo com os esforços de reconciliação política para formação de uma agenda unificadora. O ponto de referência mais próximo ao que chegar a um ambiente de interação é a posta em marcha da campanha eleitoral para realizar as eleições regionais em 10 de dezembro.

Esperamos de todas as partes, internas e externas, a prudência, sabedoria e a disposição construtiva para o trabalho conjunto em benefício de devolver a paz e a prosperidade à terra venezuelana.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Olhar crítico desde a esquerda: a economia

Desafio estratégico para superar a condição de exportadores de commodities requer um processo de industrialização especializada para as exportações que permita dar o salto ao desenvolvimento produtivo e à independência econômica