Membros da comunidade internacional tentam minar tentativa de diálogo na Venezuela, diz Rússia

'A paz na Venezuela depende, como sempre, da boa vontade de todas as partes de retomar o diálogo no âmbito da Constituição, sem nenhuma ingerência do exterior', diz chancelaria russa

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Em comunicado divulgado nesta quinta-feira (10/08), o Ministério de Relações Exteriores da Rússia defendeu a Assembleia Constituinte na Venezuela e disse que membros da comunidade internacional avançam no desmantelamento da solução pacífica para a crise política que atravessa o país.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“De maneira contrária à lógica dos acontecimentos e seus próprios chamados à "democratização" na Venezuela dos processos dirigidos por algumas forças de política interna e externa, segue avançando, como antes, a linha destrutiva de desmantelamento das ferramentas do diálogo emergente e, de fato, devolve a situação às posições iniciais sem saída”, diz o comunicado.

“A paz na Venezuela depende, como sempre, da boa vontade de todas as partes de retomar o diálogo no âmbito da Constituição, sem nenhuma ingerência do exterior, de acordo com os esforços de reconciliação política para formação de uma agenda unificadora”, afirma.

Agência Efe

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov

Venezuela critica 'uso político' de órgão de direitos humanos da ONU

Em carta a Maduro, Raúl reafirma apoio cubano à Venezuela: 'cada golpe fortalece a unidade'

Rússia não aceitará que Coreia do Norte tenha armas nucleares, diz chanceler de Putin

 

Veja a nota na íntegra:

Os acontecimentos na Venezuela e ao redor do país continuam atraindo uma grande atenção da Comunidade Internacional. A realidade determinante do momento atual: a formação de um novo órgão supremo no país, segundo os resultados das eleições do dia 30 de julho, a "Assembleia Nacional Constituinte" e a posta em marcha prática de sua atividade. Por tanto, estão dadas as bases dos novos marcos institucionais da vida política interna do país que abrem, em nossa opinião, a possibilidade de promover a estabilização na Venezuela.

Nas condições atuais, como nunca antes, é necessário um sinal da comunidade internacional de apoio à solução pacífica da crise prolongada através do restabelecimento de uma atmosfera de confiança e o retorno do diálogo direto entre as partes em conflito. Por desgraça, frequentemente vemos o contrário.

De maneira contrária à lógica dos acontecimentos e seus próprios chamados à "democratização" na Venezuela dos processos dirigidos por algumas forças de política interna e externa, segue avançando, como antes, a linha destrutiva de desmantelamento das ferramentas do diálogo emergente e, de fato, devolve a situação às posições iniciais sem saída. Desde outra ótica, é pouco provável que seja possível valorizar a obsessão demonstrada por vários países de aplicar sanções unilaterais, medidas de restrições de isolamento, métodos de pressão e de ultimato contra Caracas. Não acreditamos que tais ações funcionem.

Estamos convencidos de que o caminho rumo à solução política interna da Venezuela, está na intensificação dos elementos construtivos, nos enfoques que se fundamentariam, não nos lamentos sobre o não realizado, mas levando em consideração as novas realidades que se formam na Venezuela, como ponto de partida para seguir adiante com o objetivo de buscar as áreas do consenso nacional e a resolução dos problemas nacionais. Não há mais alternativa que realizar negociações responsáveis e diretas entre o governo e a oposição.

A paz na Venezuela depende, como sempre, da boa vontade de todas as partes de retomar o diálogo no âmbito da Constituição, sem nenhuma ingerência do exterior, de acordo com os esforços de reconciliação política para formação de uma agenda unificadora. O ponto de referência mais próximo ao que chegar a um ambiente de interação é a posta em marcha da campanha eleitoral para realizar as eleições regionais em 10 de dezembro.

Esperamos de todas as partes, internas e externas, a prudência, sabedoria e a disposição construtiva para o trabalho conjunto em benefício de devolver a paz e a prosperidade à terra venezuelana.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Os supersalários das Forças Armadas

Nossa reportagem levantou todos os salários de militares e encontrou centenas acima do teto, indenizações de mais de R$ 100 mil e valores milionários pagos no exterior