Após Caracas protestar contra reunião em Lima, Peru expulsa embaixador venezuelano do país

Venezuela repudiou reunião de 17 chanceleres que aconteceu nesta semana em Lima e a classificou de 'erro histórico'; Peru disse que nota de Caracas 'não foi recebida por conter termos inaceitáveis'

O Ministério de Relações Exteriores do Peru informou nesta sexta-feira (11/08) que decidiu expulsar o embaixador da Venezuela em Lima, Diego Alfredo Molero Bellavia, devido a uma nota de protesto enviada pelo governo venezuelano.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em comunicado, a Chancelaria peruana informou que considerou como "não recebida a nota de protesto do governo da Venezuela sobre a Declaração de Lima por conter termos inaceitáveis". "Foi dado a ele o prazo máximo de cinco dias para deixar o território peruano", afirmou.

A Declaração de Lima, assinada na última terça-feira (08/08) por chanceleres de 17 países da América Latina e do Caribe, incluindo o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes, afirmou que a ordem democrática na Venezuela foi “rompida”. Além disso, o texto ressalta que ações tomadas pela Assembleia Nacional Constituinte não serão reconhecidas.

No documento enviado por Caracas ao governo peruano, a chancelaria venezuelana classificou a decisão dos representantes dos 17 países de “erro histórico” e disse que estava sendo “persistente” em enviar “o mais absoluto repúdio à reunião”.

Em carta a Maduro, Raúl reafirma apoio cubano à Venezuela: 'cada golpe fortalece a unidade'

Membros da comunidade internacional tentam minar tentativa de diálogo na Venezuela, diz Rússia

Visão do Ocidente sobre Venezuela é 'irresponsável', diz Dilma Rousseff

 

Agência Efe

Peru expulsou embaixador venezuelano Diego Bellavia do país

Já no comunicado divulgado nesta sexta, o governo do Peru reafirmou sua "firme disposição de continuar contribuindo” para o que chamou de “restauração da democracia na Venezuela".

Horas antes, o chanceler peruano, Ricardo Luna, tinha afirmado que a expulsão definitiva do embaixador da Venezuela no país, em protesto contra o governo de Nicolás Maduro, era uma decisão que seria tomada no "devido momento".

Além disso, Luna descartou uma reunião de líderes da região pedida por Maduro ontem para retomar o diálogo político na América Latina. Segundo o chanceler, o convite foi "informal" e não havia "clareza" nas palavras do presidente venezuelano. "Esse convite não foi feito com clareza, não se sabe qual é a temática, não se sabe quem está sendo convidado", afirmou.

Maduro pediu nesta quinta (10/08) a convocação urgente de uma cúpula de chefes de Estado e governo da América Latina e o Caribe para restituir as relações de diálogo no continente. "Não vejo razões para que ninguém se negue a uma cúpula de portas fechadas, já que todos estão falando da Venezuela. Se tivermos que ficar dois dias trancados, falando cara a cara, que façamos isso e busquemos recompor as relações da América Latina", afirmou Maduro.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias