Governador da Vírginia, nos EUA, declara emergência no Estado após confrontos em marcha supremacista branca

Em meio aos confrontos, homem atropelou grupo de pessoas que protestava contra a marcha, deixando várias delas gravemente feridas; Trump foi vago em condenação

A realização da marcha "Unir a direita", convocada por um grupo de supremacistas brancos na cidade de Charlottesville, na Virgínia (EUA), deixou vários feridos neste sábado (12/08), após enfrentamentos com opositores da manifestação, e obrigou o governador do Estado, Terry McAuliffe (Democrata), a declarar estado de emergência. O protesto tem caráter notadamente antissemita, racista, islamo e homofóbico.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O início da marcha estava previsto para o meio-dia no Emancipation Park, no centro da cidade. Minutos antes, no entanto, se iniciaram, os primeiros confrontos violentos. As palavras de ordem lançadas entre manifestantes, que levavam com bandeiras confederadas e escudos de proteção; e os opositores, que apontavam a apologia à ultradireita, rapidamente terminaram em chutes e murros.

Em meio aos confrontos, um homem atropelou um grupo de pessoas que protestava contra a marcha, deixando várias delas gravemente feridas.

O incidente, que ocorreu pouco depois da decretação do estado de emergência por parte de McAuliffe. Segundo ele, a medida foi necessária para "ajudar as autoridades a responder à violência", segundo explicou em sua conta no Twitter.

Trump

Por sua vez, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, condenou – em um tweet bastante vago – “tudo o que representa o ódio” e pediu a união dos norte-americanos. "Devemos estar todos unidos e condenar tudo o que representa o ódio. Não há lugar para esse tipo de violência nos EUA. Vamos nos unir como um só", disse Trump.

Colômbia diz que ex-prefeito de Caracas, preso acusado de instigar violência em protestos, fugiu para o país

Ex-premiê do Líbano, que está na Arábia Saudita desde renúncia, aceita convite de Macron para ir à França

Venezuela anuncia refinanciamento de dívida externa com Rússia

 

Reprodução/Efe

Marcha supremacista branca provocou confrontos na Virgínia

Trump, no entanto, não disse especificamente na mensagem sobre que grupo estava falando ou qual tipo de violência condenava.

Jason Kessler, organizador da marcha, alegou, em um comunicado, que a manifestação pretende defender a Primeira Emenda da Constituição, que protege a liberdade de expressão, e respaldar os "grandes homens brancos que estão sendo difamados, caluniados e derrubados nos EUA", apesar da posição claramente racista do protesto.

A marcha foi organizada após a retirada de uma estátua em homenagem ao general confederado Robert E. Lee, que liderou as forças do sul durante a Guerra Civil norte-americana.

“Maior encontro de ódio dos EUA”

A manifestação foi descrita como "o maior encontro de ódio em décadas nos EUA", segundo o Southern Poverty Law Center, uma instituição que investiga grupos que fomentam a violência racial.

Charlottesville, situada 300 quilômetros ao sudoeste de Washington, tem cerca de 46.000 habitantes e é sede da Universidade de Virgínia.

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.