Estado Islâmico reivindica autoria de atentado em Barcelona

Ataque ocorreu nas proximidades da estação de metrô de Las Ramblas, em Barcelona; até o momento, 13 mortos e mais de 50 feridos foram confirmados

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O auto-intitulado Estado Islâmico (EI) reivindicou a autoria do atentado que matou 13 pessoas e deixou mais de 50 feridos em Barcelona, na Espanha, nesta quinta-feira (17/08).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Após simpatizantes do grupo terem comemorado o ataque nas redes sociais, o EI usou sua agência oficial de propaganda, a "Amaq", para assumir a responsabilidade pela ação na capital da Catalunha.

A reivindicação foi reproduzida no Twitter pelo SITE Intelligence Group, portal que monitora a atividade de extremistas na internet. Segundo a reivindicação, os autores do atentado são "soldados do Estado Islâmico".

Esse termo pode indicar que o atentado não foi planejado pela cúpula do EI, mas sim por simpatizantes do grupo extremista na Europa. O ataque teria sido cometido por três homens, mas apenas um deles foi identificado. Driss Oukabir, homem originário do Magreb, região islâmica do noroeste da África e que engloba países como Marrocos, Argélia, Mali e Tunísia.

Agência Efe

Estado Islâmico reivindicou ataque que deixou 13 mortos em Barcelona

Motorista atropela pedestres com van no centro de Barcelona

Polícia da Catalunha diz que atropelamento em Barcelona é ataque terrorista

Estado Islâmico reivindica autoria de atentado em Barcelona

 

Oukabir foi preso em Manlleu, cidade situada a 80 quilômetros de Barcelona e a 10 quilômetros de Vic, município onde a van utilizada em sua fuga fora abandonada - ele mesmo teria alugado o veículo.

Nas redes sociais, o suspeito dizia ser de Marselha, metrópole do sul da França com uma significativa população originária do Magreb. Ele já tinha passagem pela Polícia na Espanha e, em 2012, cumprira pena por maus tratos na penitenciária de Figueres, também na Catalunha.

Em pronunciamento oficial, o presidente regional da Catalunha, Carles Puigdemont, disse que dois homens já foram presos, mas a identidade do segundo não foi divulgada até o momento. De acordo com o jornal catalão "La Vanguardia", outro suspeito foi morto em um tiroteio com as forças de segurança em Sant Just Desvern, cidade dos arredores de Barcelona.

Há cerca de duas semanas, simpatizantes do Estado Islâmico lançaram apelos nas redes sociais pedindo atentados na Espanha. De acordo com Rita Katz, diretora do SITE, os extremistas cobraram "ataques iminentes" e a "reconquista" de Al-Andalus, nome dado à Península Ibérica no século 8, início de um período de domínio muçulmano na região que duraria quase 800 anos.

O uso de veículos pesados - como vans e caminhões - tem sido o método preferido de simpatizantes do EI para cometer atentados na Europa, como nos ataques de Nice, em julho de 2016, em Berlim, em dezembro do mesmo ano, e em Londres, em março e junho de 2017.

O atentado de Barcelona é o primeiro ato terrorista reivindicado pelo Estado Islâmico na Espanha.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Justiça da UE condena Alemanha por poluição da água

Tribunal de Justiça da União Europeia considera que Berlim não fez o suficiente para deter contaminação de águas subterrâneas por nitrato; índices continuam altos apesar de leis mais severas para fertilizantes agrícolas