Como vão a igualdade e justiça sociais na Alemanha

Deutsche Welle
Mesmo com uma das economias mais fortes do mundo, alemães enfrentam desigualdade e empobrecimento crescentes; uma tendência preocupante, que pode se refletir nas urnas

O debate em torno da pobreza e desigualdade na Alemanha segue acalorado. O país tem a economia mais forte da Europa, o desemprego bate recordes negativos e os salários crescem; ao mesmo tempo, cada vez mais cidadãos estão sendo deixados para trás.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em seu relatório anual, a associação nacional de previdência Paritätischer Wohlfahrtsverband afirmou que a percentagem de alemães vivendo na pobreza é de 15,7%, a mais alta desde a Reunificação. Aposentados, pais e mães solteiros, crianças e desempregados de longo prazo são os grupos de maior risco.

A associação mede a chamada pobreza relativa, ou seja, o percentual de pessoas que vivem com menos de 60% do orçamento médio de uma família. E isso, por si só, já mostra por que o debate sobre pobreza na Alemanha é tão controverso. O país, afinal, continua tendo um sistema de assistência social forte, que garante um padrão de vida básico aos mais pobres, assim como uma estrutura tributária com taxas progressivas para redistribuir a riqueza.

Economistas e críticos têm apontado falhas no relatório da Paritätischer, ressalvando que, em geral, estudantes se situam abaixo da linha da pobreza relativa, o que distorce as estatísticas. A associação, por sua vez, rebate que não incluiu os milhares de sem-teto em suas sondagens.

DW

"O desemprego pode atingir qualquer um. E depois?", afirma este cartaz em frente à catedral de Bremen

 

Agenda 2010 como culpada

A resposta à questão de quão justa e igualitária a Alemanha é hoje em dia depende muito de a quem se pergunta. No entanto, a maioria dos analistas concorda que o país tem visto um incremento do setor dos trabalhadores pobres: gente que tem trabalho, mas mesmo assim precisa lutar para subsistir.

Diversos sindicatos e críticos responsabilizam a Agenda 2010 pela situação. O abrangente pacote de reformas trabalhistas adotado em 2005 pelo então chanceler federal, Gerhard Schröder, liberalizou o mercado de trabalho, reduziu o auxílio-desemprego e impulsionou o surgimento de um novo setor de trabalho flexível e temporário, argumentam.

Frank Nullmeier, especialista em igualdade social do instituto de pesquisa Socium, da Universidade de Bremen, ressalva que os economistas divergem se a Agenda 2010 contribuiu para a desigualdade atual, mas que "ninguém pode negar que ela certamente não trouxe mais igualdade".

Contra a apatia eleitoral

Economistas e sociólogos se dividem sobre a melhor maneira de enfrentar a desigualdade social crescente na Alemanha. Alguns propõem um sistema de renda básica garantida, em que cada pessoa teria assegurado um salário mínimo mensal, independentemente de a pessoa estar empregada ou não.

O pastor Harald Schröder, que trabalha para uma organização cristã de ajuda aos sem-teto e necessitados, conta entre os defensores dessa ideia. Segundo ele, muitos pobres e desempregados têm vergonha de recorrer aos benefícios das agências de trabalho estatais, e o contato com as autoridades lá é muitas vezes desencorajador.

Ele acredita que uma renda básica ajudaria a reduzir a desigualdade social e "transformaria os necessitados em cidadãos em pé de igualdade", os quais se sentiriam, por exemplo, incentivados a votar nas eleições gerais deste 24 de setembro.

Com a desigualdade social e econômica como tema mais premente para o eleitorado de todo o país, não é de surpreender que o social-democrata Martin Schulz, que concorre contra a chanceler Angela Merkel pela chefia de governo, tenha colocado a igualdade e justiça sociais no centro de sua plataforma eleitoral.

Ainda assim, a apatia eleitoral é especialmente pronunciada nas regiões e bairros mais pobres da Alemanha. Em Bremen, onde um quarto dos adultos e um terço das crianças são considerados pobres, apenas metade dos eleitores habilitados foi às urnas no pleito municipal de 2015.

Desse modo, nem os eleitores dos democrata-cristãos de Merkel nem os do Partido Social-Democrata (SPD) obtiveram a vantagem, mas os abstinentes: uma tendência preocupante, que pode trazer sérias consequências para a votação federal de setembro.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias