Idosos podem decidir eleição na Alemanha

Deutsche Welle
Um terço dos eleitores tem 60 anos ou mais: uma alta de sete pontos percentuais desde 1980; voto dos jovens tem cada vez menos peso, e eles costumam ir menos às urnas do que os mais velhos

Os eleitores mais velhos estão se tornando cada vez mais decisivos na Alemanha. Segundo números oficiais divulgados nesta segunda-feira (21/08) pela imprensa, quase um terço do eleitorado tem idade igual ou superior a 60 anos. Essa faixa etária cresceu mais de sete pontos percentuais desde 1980.

"Hoje, mais de 20% do eleitorado têm 70 anos ou mais", diz o chefe do Departamento Federal de Estatística (Destatis), Dieter Sarreither. Além disso, ele acrescenta que há anos se observa que a participação eleitoral dos mais velhos vem crescendo, estando acima da média. Enquanto isso, os eleitores mais jovens tendem a votar com menos frequência. O voto é facultativo na Alemanha.

Segundo as estatísticas, a faixa etária de 18 a 21 anos de idade representa apenas 3,6% do eleitorado alemão. O peso dos eleitores mais jovens diminuiu de forma constante nas últimas décadas. "Em 1980, os menores de 30 anos representavam cerca de 22% dos eleitores. Neste ano, eles são cerca de 16%", diz Sarreither, que também exerce a chefia do órgão que supervisiona as eleições alemãs.

DW

Segundo estatística do governo alemão, alemães aposentados votam com mais frequência que os mais jovens

O comparecimento às urnas costuma ser menor nos estados da antiga Alemanha Oriental do que no Oeste do país. Diferenças entre homens e mulheres, quase não há mais. O número de pessoas aptas a votar na Alemanha diminuiu desde 2013, de acordo com Sarreither, caindo de 61,9 milhões para 61,5 milhões de pessoas. A próxima eleição geral na Alemanha será realizada em 24 de setembro próximo.

Merkel e Hollande culpam Assad por ataque contra Síria; Reino Unido, Canadá e Israel também apoiam EUA

Merkel critica novas sanções dos EUA contra Rússia

Como vão a igualdade e justiça sociais na Alemanha

 

Voto pelo correio aumenta

Outra tendência é o aumento das votações por carta, em que o eleitor pode enviar sua cédula eleitoral preenchida já semanas antes do dia da eleição, sem precisar, assim, comparecer à urna.

Essa modalidade de votação é permitida na Alemanha desde 1957. Nas eleições parlamentares de 2013, 24,3% dos eleitores votaram por carta. O percentual foi recorde. Quatro anos antes, em 2009, haviam sido 21,4%. Já nas eleições parlamentares europeias, em 2014, a votação por carta foi o método escolhido por 25,3% dos eleitores.

O pesquisador eleitoral Rüdiger Schmitt-Beck, da Universidade de Mannheim, avalia que essa tendência reflete sobretudo "uma expressão da individualização da sociedade". Ele afirma que a votação por carta dá mais autonomia às pessoas.

Outro motivo para o crescimento do número de votações por carta nas últimas eleições na Alemanha pode ser a flexibilização, em 2009, dessa modalidade de votação. Antes, ela era um privilégio restrito a eleitores que apresentassem uma justificativa para deixarem de ir às urnas no dia da eleição.

MD/epd/dpa/afp

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias