Idosos podem decidir eleição na Alemanha

Deutsche Welle
Um terço dos eleitores tem 60 anos ou mais: uma alta de sete pontos percentuais desde 1980; voto dos jovens tem cada vez menos peso, e eles costumam ir menos às urnas do que os mais velhos

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Os eleitores mais velhos estão se tornando cada vez mais decisivos na Alemanha. Segundo números oficiais divulgados nesta segunda-feira (21/08) pela imprensa, quase um terço do eleitorado tem idade igual ou superior a 60 anos. Essa faixa etária cresceu mais de sete pontos percentuais desde 1980.

"Hoje, mais de 20% do eleitorado têm 70 anos ou mais", diz o chefe do Departamento Federal de Estatística (Destatis), Dieter Sarreither. Além disso, ele acrescenta que há anos se observa que a participação eleitoral dos mais velhos vem crescendo, estando acima da média. Enquanto isso, os eleitores mais jovens tendem a votar com menos frequência. O voto é facultativo na Alemanha.

Segundo as estatísticas, a faixa etária de 18 a 21 anos de idade representa apenas 3,6% do eleitorado alemão. O peso dos eleitores mais jovens diminuiu de forma constante nas últimas décadas. "Em 1980, os menores de 30 anos representavam cerca de 22% dos eleitores. Neste ano, eles são cerca de 16%", diz Sarreither, que também exerce a chefia do órgão que supervisiona as eleições alemãs.

DW

Segundo estatística do governo alemão, alemães aposentados votam com mais frequência que os mais jovens

O comparecimento às urnas costuma ser menor nos estados da antiga Alemanha Oriental do que no Oeste do país. Diferenças entre homens e mulheres, quase não há mais. O número de pessoas aptas a votar na Alemanha diminuiu desde 2013, de acordo com Sarreither, caindo de 61,9 milhões para 61,5 milhões de pessoas. A próxima eleição geral na Alemanha será realizada em 24 de setembro próximo.

Merkel e Hollande culpam Assad por ataque contra Síria; Reino Unido, Canadá e Israel também apoiam EUA

Merkel critica novas sanções dos EUA contra Rússia

Como vão a igualdade e justiça sociais na Alemanha

 

Voto pelo correio aumenta

Outra tendência é o aumento das votações por carta, em que o eleitor pode enviar sua cédula eleitoral preenchida já semanas antes do dia da eleição, sem precisar, assim, comparecer à urna.

Essa modalidade de votação é permitida na Alemanha desde 1957. Nas eleições parlamentares de 2013, 24,3% dos eleitores votaram por carta. O percentual foi recorde. Quatro anos antes, em 2009, haviam sido 21,4%. Já nas eleições parlamentares europeias, em 2014, a votação por carta foi o método escolhido por 25,3% dos eleitores.

O pesquisador eleitoral Rüdiger Schmitt-Beck, da Universidade de Mannheim, avalia que essa tendência reflete sobretudo "uma expressão da individualização da sociedade". Ele afirma que a votação por carta dá mais autonomia às pessoas.

Outro motivo para o crescimento do número de votações por carta nas últimas eleições na Alemanha pode ser a flexibilização, em 2009, dessa modalidade de votação. Antes, ela era um privilégio restrito a eleitores que apresentassem uma justificativa para deixarem de ir às urnas no dia da eleição.

MD/epd/dpa/afp

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias