Serra Leoa: Risco de surto de cólera aumenta após deslizamento de terras que matou centenas

Centenas de pessoas ainda se encontram desaparecidas, autoridades tentam evitar propagação de doenças

A população de Freetown, capital da Serra Leoa com mais de 1 milhão de habitantes, foi atingida na noite de domingo para segunda-feira da semana passada por um devastador deslizamento de terras. Uma encosta na área de Regent colapsou, após três dias de chuvas intensas, deixando inúmeras casas submersas em lama. Até o momento, já foram contabilizados 499 mortos e cerca de 600 desaparecidos. As expectativas de encontrar mais alguém com vida são praticamente nulas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A destruição das casas deixou mais de dois mil desabrigados, faltam alimentos e água potável e a possibilidade dos fluidos das vítimas que ainda não foram devidamente enterradas contaminarem as águas preocupam as autoridades.

"Estamos fazendo tudo o que podemos para garantir que a cólera não apareça", afirmou Samuel Turay, funcionário do Ministério da Saúde.

Divulgação

Segundo a Cuz Vermelha ainda há 600 desaparecidos no país

A situação das crianças separadas das famílias, ou daquelas que perderam todos os seus familiares, é especialmente preocupante. A organização sem fins lucrativos World Hope Internacional encontra-se no país para tentar impedir que estas crianças sejam encaminhadas para redes de tráfico.

Tunísia aprova lei histórica sobre violência contra mulheres

China inaugura na costa leste da África sua primeira base militar estrangeira

ONU alerta para sinais de novo genocídio na África

 

Na semana passada, o presidente da Serra Leoa, Ernest Bai Koroma, sinalizou que as equipes de resgate do país estão sobrecarregadas e pediu “ajuda urgente” à comunidade internacional.

Milhares de pessoas continuam a viver em áreas de risco

Segundo a Anistia Internacional, "embora as enchentes sejam desastres naturais, a escala da tragédia humana em Freetown é, infelizmente, em grande parte causada pelo homem", dado o elevado número de pessoas que continuam a viver em áreas de risco.

Os especialistas alertam que a ameaça de deslizamentos cresce na África Ocidental e Central, face ao aumento da precipitação, do desmatamento florestal e do aumento das populações urbanas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias