Em livro, Hillary Clinton escreve que pensou em dizer 'se afaste, seu nojento' para Trump durante debate

Com lançamento previsto para setembro, 'What happened' traz pensamentos e revelações da democrata sobre a corrida presidencial norte-americana de 2016; 'você não pode me intimidar', foi o que Clinton considerou dizer ao rival republicano

“Se afaste, seu nojento!”, foi o que a então candidata à Presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, pensou em dizer ao seu rival republicano Donald Trump no segundo debate presidencial das eleições norte-americanas de 2016. Dois dias depois da divulgação das gravações onde Trump se gabava de ter abusado de mulheres, os dois candidatos se encaravam em um pequeno palco na Universidade de Washington, em St. Louis.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Divulgado pela rede de televisão norte-americana MSNBC nesta quarta-feira (23/08), o primeiro trecho do novo livro de Clinton, intitulado “What happened” ("O que aconteceu") e que será publicado em setembro, revela os pensamentos e sentimentos da democrata sobre aquele momento face a face com Trump.

“Minha pele se retraiu”, diz Clinton. “Era o segundo debate presidencial e Donald Trump estava espreitando atrás de mim. Dois dias antes, o mundo ouviu ele se gabar de ter assediado mulheres. Agora nós estávamos num pequeno palco e não importava pra onde eu andasse, ele me seguia de perto, me encarando, fazendo caras. Era incrivelmente desconfortável. Ele estava literalmente respirando no meu pescoço”.

Agência Efe

Debate na Universidade de Washington, em St. Louis: 'se afaste, seu nojento', pensou em dizer Hillary

Embaixada dos EUA na Rússia suspende emissão de vistos turísticos

'Balas Trump': polícia alemã apreende pílulas de ecstasy com rosto do presidente dos EUA

Trump diz que imprensa 'manipulou' comentários que fez sobre Charlottesville

 

No trecho divulgado do livro, a candidata do partido Democrata confessa que considerou duas opções: “Bem, o que você faz? Você fica calma, continua sorrindo e continua como se ele não estivesse repetidamente invadindo seu espaço? Ou você se vira, olha nos olhos dele e diz em alto e bom som: ‘Se afaste, seu nojento, se afaste de mim! Eu sei que você ama intimidar mulheres, mas você não pode me intimidar, então se afaste”.

Entretanto, Clinton escolheu, segundo ela, ficar calma, “mordendo minha língua, enterrando minhas unhas no punho apertado, sorrindo de qualquer forma, determinada a apresentar ao mundo um rosto sereno”.  A democrata afirma que, se tivesse optado por revidar Trump, “teria sido um show de televisão melhor” e que talvez tenha “aprendido demais” a lição de permanecer calma.

Campanha

O excerto divulgado de “What happened” também traz apontamentos da candidata democrata sobre a corrida presidencial norte-americana de 2016. “Eu não tenho todas as respostas”, escreve Clinton. “Isso não me cabe escrever. Eu quero revelar uma experiência que foi estimulante, prazerosa, humilhante, furiosa e simplesmente desconcertante. Escrever isso não foi fácil. Todos os dias em que fui candidata à presidência eu sabia que milhões de pessoas estavam contando comigo e eu não podia suportar a ideia de desapontá-las. Mas eu desapontei. Não fiz o trabalho. E tenho que viver com isso pelo resto de minha vida”.

“Nesse livro, escrevo sobre momentos da campanha em que eu gostaria de voltar e fazer diferente”, diz Clinton, mostrando arrependimento. “Se os russos pudessem hackear meu subconsciente, encontrariam uma lista longa”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias