Macron quer lançar até o fim do ano plano para refundar a União Europeia

Regra atual permite que trabalhadores do leste europeu salário inferior ao mínimo dos país de acolhida

O presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou nesta quarta-feira (23/08) que chegou o momento de refundar a União Europeia (UE) e destacou que quer ver em andamento iniciativas nesse sentido antes do final do ano.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"A Europa precisa de um novo rumo e de mais visibilidade", afirmou Macron em Salzburgo, onde participou de um encontro com o chanceler da Áustria, Christian Kern, e os primeiros-ministros da Eslováquia, Robert Fico, e da República Checa, Bohuslav Sobotka, focado na reforma da norma comunitária de trabalhadores deslocados.

"A prioridade deve ser a proteção da Europa e, no fim do ano, gostaria de ver que conseguimos elaborar uma iniciativa para uma refundação da Europa".

Agência Efe

Macron faz viagem para conversar com outros líderes sobre as mudanças

O presidente francês destacou a necessidade de que haja uma "nova dinâmica" dentro do bloco e que os cidadãos vejam que há avanços.

"Temos verdadeiramente que ver como a Europa pode rapidamente proteger melhor suas fronteiras exteriores", disse Macron, também pedindo avanços em matéria de defesa e política de asilo.
 

'Nada vai separar EUA e França', diz Macron

Com Netanyahu, Macron critica ocupação israelense e pede retomada de negociações com palestinos

Macron é reprovado por 62% dos franceses nos primeiros cem dias no cargo, aponta pesquisa

 

A reunião desta quarta foi a primeira de uma excursão de Macron pelo leste europeu para discutir uma reforma das normas que regulam a situação dos trabalhadores comunitários deslocados em outros países do bloco.

A atual regra permite que as empresas paguem a esses trabalhadores, em grande parte dos países do leste europeu, um salário que não seja superior ao mínimo do país de acolhida, o que cria diferença com os valores recebidos pelos empregados locais.

Macron quer reduzir a duração desses deslocamentos de dois para um ano e também lutar contra os abusos. Para o presidente francês, a atual norma representa uma "traição ao espírito europeu".

Os quatro líderes concordaram hoje que a UE deve aplicar o conceito de pagar igualmente os trabalhadores que executam as mesmas tarefas dentro de um país.

Macron viajará amanhã para a Romênia e na sexta-feira para a Bulgária, países onde há resistência para modificar as regras.

 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias