Aula Pública Opera Mundi: qual é a situação da diplomacia brasileira após o impeachment?

Diego Azzi, doutor em Sociologia e professor da UFABC, explica as mudanças no Itamaraty após o impeachment de Dilma Rousseff

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Diego Azzi explica nova orientação da diplomacia brasileira com Michel Temer na presidência


O impeachment de Dilma Rousseff marcou uma mudança drástica nas Relações Exteriores do Brasil. Depois de anos com o PT (Partido dos Trabalhadores) no poder, Michel Temer impôs uma nova orientação à diplomacia brasileira: o país passou a indicar, com o então ministro das relações exteriores José Serra, a defesa do livre comércio e até mesmo o realinhamento com os EUA. Com a nova ordem, qual é o futuro da diplomacia brasileira?

Diego Azzi, doutor em Sociologia pela USP e professor da UFABC, analisa essa e outras questões na Aula Pública sobre o atual cenário da diplomacia brasileira.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Diego Azzi: qual é o atual cenário da diplomacia brasileira


 

Aula Pública com Roseli Fígaro: como as tecnologias da comunicação mexem com o mundo do trabalho?

Notas sobre Marco Aurélio Garcia, um grande camarada

Aula Pública Opera Mundi: o que levou à Revolução Russa em 1917?

 

No segundo bloco, Diego Azzi responde perguntas do público da UFABC, em São Bernardo do Campo



Para o especialista, o Brasil passa por um constrangimento internacional resultante do processo que conduziu Michel Temer à presidência e, consequentemente, o PSDB à chancelaria.

"No aspecto doméstico e no aspecto internacional, podemos afirmar que a política externa de Michel Temer está constrangida. O atual governo chega ao poder sem ter a legitimidade do voto popular, recebendo críticas de diversas organizações internacionais. O Itamaraty passa a se pronunciar num tom pouco diplomático, de forma distinta da cordialidade que caracterizou as manifestações públicas brasileiras ao redor do mundo. No front internacional, Temer perde a batalha pela opinião pública sobre o processo doméstico brasileiro. Na mídia e também nos organismos internacionais, o processo que levou Michel Temer ao poder e Serra à chancelaria foi rechaçado", explica Diego Azzi.

Outro aspecto fundamental da nova orientação da diplomacia brasileira, afirma Diego Azzi, foi encerrar uma tradição que vinha se consolidadndo no Itamaraty desde 1985: até 2015, apenas três chanceleres não foram funcionários de carreira.

"A chegada de Michel Temer no poder tem uma característica: na composição de seu governo, trata o Ministério da Relações Exteriores como os demais, ou seja, como um ministério que pode entrar na repartição de cargos que dá sustentação ao governo. O programa implementado por José Serra é bastante similar ao projeto internacional dos anos 1990, marcado pelo realinhamento da posição brasileira com relação aos Estado Unidos", explica.

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irã continua cumprindo acordo nuclear, diz AIEA

Em primeiro relatório após a saída dos Estados Unidos, Agência Internacional de Energia Atômica defende pacto e ressalta que Teerã está fazendo sua parte em troca de alívio de sanções internacionais