França: Macron gastou 26 mil euros em serviços de beleza em três meses de mandato

Palácio Eliseu respondeu aos questionamentos que despesas foram em regime de urgência e no futuro serão reduzidas

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O presidente francês, Emmanuel Macron, nos últimos três meses gastou 26 mil euros (algo em torno de 96 mil reais) em serviços de estética e beleza. Segundo o jornal Le Point, o valor foi pago ao maquiador preferido de Macron: Natacha M.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Desde que chegou ao palácio do Eliseu, o presidente de 39 anos já  emitiu dois cheques ao maquiador, um de 10 mil euros e outro de 16 mil. Segundo o palácio, o serviço “foi contratado em regime de urgência” e que no futuro os gastos com estética, maquiagem e beleza serão reduzidos.

 

Com Netanyahu, Macron critica ocupação israelense e pede retomada de negociações com palestinos

Macron é reprovado por 62% dos franceses nos primeiros cem dias no cargo, aponta pesquisa

Macron quer lançar até o fim do ano plano para refundar a União Europeia

 

Agência Efe

Presdiente francês Emmanoel Macron

“O custo cobre vários serviços, incluindo coletivas de imprensa e viagens internacionais em que demanda a ida do maquiador junto com ele [Macron]” disse um oficial do palácio Eliseu aos jornalistas que completou afirmando que a conta é “alta, mas é menor do que a do antecessor [Hollande]”.

Hollande também se envolveu em polêmica sobre custo de serviços de estética, beleza e cosméticos. A divulgação do salário do barbeiro do ex-presidente criou escândalo à época na França e a resposta foi de que o salário era de 10 mil euros por que “o barbeiro tece que deixar o salão que tinha para trabalhar para Hollande”.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias