Violência na Índia após condenação de guru

Deutsche Welle
Líder espiritual Gurmeet Ram Rahim Singh foi considerado culpado por estuprar duas seguidoras, e veredicto irrita devotos

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Confrontos em protestos no norte da Índia deixaram ao menos 32 mortos e cerca de 250 feridos nesta sexta-feira (25/08), depois de um tribunal condenar um líder espiritual por estupro.

O guru Gurmeet Ram Rahim Singh, que tem milhares de seguidores, foi considerado culpado por estuprar duas devotas de seu movimento, Dera Sacha Sauda, na cidade de Sirsa em 2002.

O anúncio do veredicto nesta sexta-feira irritou os seguidores de Singh, que defendem sua inocência. Reunidos em milhares na cidade de Panchkula, onde fica o tribunal responsável pelo caso, eles atiraram pedras e atacaram veículos de imprensa em frente à corte.

Foram registrados também ataques em propriedades públicas, incluindo edifícios governamentais. Policiais reagiram com gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar os manifestantes. Há relatos de que as autoridades chegaram a disparar tiros no ar.

Os confrontos mais intensos ocorreram em Panchkula, onde houve vários mortos, mas protestos violentos também foram registrados na capital, Nova Déli, onde vários ônibus foram queimados, e em Sirsa, sede do movimento Dera Sacha Sauda.

Em protestos em várias outras cidades nos estados de Punjab e Haryana, no norte do país, houve ainda relatos de ataques em estações de trem e postos de combustível.

Esperando reações violentas após a condenação, a polícia tinha desdobrado 15 mil membros das forças de segurança para reforçar a segurança em Panchkula, que fica em Haryana.

O diretor-geral da polícia do estado, B. S. Sandhu, que está em Panchkula, afirmou que a situação agora se encontra sob controle. As autoridades impuseram toque de recolher na cidade e em Sirsa. Centenas de pessoas foram detidas, segundo o policial.

Índia elege 'intocável' Ram Nath Kovind como presidente do país

Primeiro-ministro do Paquistão renuncia

Estrada no Himalaia coloca China e Índia à beira de conflito

 

Wikicommons

Gurmeet Ram Rahim Singh é o principal guru do Dera Sacha Sauda e um doas 100 indianos mais influentes do país
 

"Os seguidores de Singh foram expulsos de Panchkula, enquanto mais de mil deles se encontram em prisão preventiva", informou Sandhu, de acordo com a agência de notícias indiana PTI.

O caso contra Singh eclodiu em 2002, quando uma de suas devotas enviou uma carta anônima ao então primeiro-ministro da Índia, Atal Bihari Vajpayee, acusando o guru de ter estuprado tanto ela como outras seguidoras.

O julgamento começou em 2008, quando duas mulheres decidiram testemunhar contra o líder. A sentença, que se espera que seja de sete a dez anos de prisão, será anunciada pela Justiça na segunda-feira. Singh foi levado de helicóptero para a prisão central da cidade vizinha de Rohtak para aguardar o anúncio.

Guru controverso

Não é a primeira vez que o líder espiritual atrai controvérsias. Em 2015, ele foi acusado de encorajar 400 de seus seguidores homens a fazer castração, supostamente para que pudessem se aproximar de Deus. Em 2002, ele foi julgado por conspiração pelo assassinato de um jornalista.

Movimentos religiosos como o Dera Sacha Sauda costumam atrair muitas pessoas na Índia, particularmente cidadãos desiludidos com o governo. Singh alega ter 50 milhões de seguidores no país.

A página do movimento na internet descreve o guru como um santo, além de autor, inventor, filósofo, filantropo, ativista da paz e "o derradeiro humanitário".

Singh costuma aparecer em vídeos de música pop, bem como em seus próprios filmes de ação, nos quais ele derrota vilões e dirige motocicletas.

Antes do veredicto, o líder espiritual havia pedido para que seus defensores não recorressem à violência. "Sempre respeitei a lei", escreveu ele no Twitter. "Mesmo que eu tenha um problema nas costas, ainda assim, cumprindo a lei, eu irei ao tribunal. Tenho plena fé em Deus. Todos devem manter a paz."

EK/afp/ap/efe/rtr/dpa/lusa/ots

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington