Cuba deu início a processo para eleger sucessor de Raul Castro

É a primeira vez que o país enfrenta uma eleição após a morte de Fidel

Desde segunda-feira (04/09) o povo cubano tem se reunido em assembleias dando início ao processo eleitoral do país que deve culminar com a eleição do novo presidente de Cuba.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O sistema do Poder Popular em Cuba é constituído pela Assembleia Nacional, as Assembleias Provinciais, as Assembleias Municipais, o Conselho Popular e a Circunscrição Eleitoral, que é o degrau básico de todo o sistema. Nenhum desses órgãos está subordinado a outro formalmente. Além disso, o voto em Cuba é secreto e exercido de maneira voluntária e quem não o fizer não pode ser punido e os mandatos são revogáveis.

O Partido Comunista Cubano (PCC) não apresenta candidaturas e nem intervém no processo eleitoral.

 

Cuba denuncia 'operação' mundial contra Venezuela e repudia sanções a Maduro

Morre em Cuba Sigmund Sobolewski, o 'prisioneiro 88' de Auschwitz

Cuba nega ataque a diplomatas dos EUA e oferece ajuda em investigação

 

Agência Efe

Processo terminará em fevereiro com a escolha do novo presidengte cubano

Nesta primeira etapa, a população cubana indica as pessoas que serão candidatas a vereadoras. Este processo de indicação vai até o dia 30 de setembro e no dia 22 de outubro os cubanos maiores de 16 anos, incluindo militares votarão em quem conformará as assembleias e governos municipais do país.  Estas duas instâncias indicarão 50% das candidaturas da Assembleia Nacional, instância que elege o presidente do país.

Em pronunciamento, Esteban Lazo Hernández, presidente da Assembleia Nacional, salientou que essa primeira etapa do processo eleitoral serve para “propor e nomear ali cubanos e cubanas patriotas, responsáveis, capazes e sensibilizados com os problemas das pessoas; os quais terão a missão de levar adiante o aperfeiçoamento do Poder Popular no caminho rumo ao futuro escolhido por nosso povo”

Os eleitos não receberão nenhuma remuneração pelo mandato e continuam a exercer suas profissões e o único salário que recebem é esse.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias