Cidade colombiana se prepara para ver população duplicar durante missa papal

Villavivencio possui quase 500 mil habitantes e deverá contar com a presença, nesta sexta (08/09), de aproximadamente um milhão de pessoas

A cidade colombiana de Villavicencio tem pouco menos de 500 mil habitantes, uma população que se duplicará nesta sexta-feira (08/09), quando o papa Francisco celebrar uma missa campal que deve contar com a presença de aproximadamente um milhão de pessoas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A missa ocorrerá no Parque Catama, que costuma receber feiras agropecuárias, onde mais de mil pessoas trabalham para que tudo esteja pronto até a meia-noite, quando os paroquianos poderão chegar ao local.

De acordo com os organizadores, o parque tem capacidade para 600 mil pessoas, mas com uma zona de contingência que permite que o número chegue até o milhão prometido.

Com aspecto rural, o parque conta com um grande palco no qual o papa celebrará a missa. É nesse palco que a produção trabalha "minuto a minuto", contra o tempo, para ter logo tudo pronto, de segundo os organizadores.

Para suavizar o sufocante calor, que amanhã pode se transformar em uma tempestade de acordo com a previsão do tempo, foram colocados pontos de hidratação e milhares de garrafas de água serão distribuídas.

Para prevenir qualquer contratempo, foram disponibilizadas enfermarias e um corredor por onde ambulâncias poderão entrar ao recinto para atender qualquer um que apresente algum problema de saúde.

O local da missa conta com oito entradas, cada uma com dez controles policiais para evitar problemas. Também haverá segurança privada, e uma das pessoas que trabalharão nesse dispositivo, Maribel Acosta, explicou à Agência Efe que o serviço exigirá atenção porque "as pessoas se jogam e querem tocar" no papa.

"Estaremos atentos a tumultos gerados entre eles (paroquianos) mesmos, devemos evitar isso e garantir que haja ordem", acrescentou Acosta.

Após a missa, Francisco participará do que pode ser o ato mais simbólico de sua visita de quatro dias à Colômbia.
 

 

Farc apresenta novo partido à Colômbia e contará direção composta por 111 pessoas

Governo colombiano e ELN anunciam acordo de cessar-fogo bilateral temporário

Papa pede reconciliação entre Colômbia e Farc

 

A apenas 200 metros do palco fica o Parque Las Malocas, onde rodeado por reproduções dessas moradias indígenas o pontífice participará de um ato com vítimas com o objetivo de promover a reconciliação após mais de meio século de conflito armado.

Uma das mulheres que será voluntária nesse ato é Miriam Lucía Franco, para quem esse será "o ato mais importante" e "muito reservado". Nem eles mesmos conhecem os detalhes da ocasião, e o nervosismo só aumenta entre os que esperam "superemocionados" pela chegada do líder religioso.

"Somos todos voluntários. Alguns vêm de outras cidades que se prepararam para este trabalho tão gracioso. É algo único e temos a oportunidade de vivenciá-lo. Vamos aproveitar desde o primeiro momento, por isso estamos aqui. Fazemos de coração porque a bênção é muito grande para a terra e para nós", concluiu.

Agência Efe

Milhares já esperam a chegada do papa Francisco a Villavivencio


Também no último dos palcos, o do Parque Fundadores, os operários trabalham nos últimos detalhes. É lá que o papa Francisco fará o seu ato mais íntimo. Os vendedores que estarão no local tiveram até os antecedentes penais revisados.

À porta do parque esperam os que ainda acreditam que podem conseguir um ingresso e, enquanto isso, observam a cruz erguida no centro, onde orará o papa.

Para a ocasião, foi instalada no local na quinta-feira uma placa em homenagem às mais de oito milhões de vítimas do conflito armado colombiano.

Por último, o papa plantará uma árvore de dois metros com a ajuda de dois sacerdotes. Será a árvore da vida, a qual prometeu plantar quando a Colômbia pusesse fim a mais de meio século de conflito armado. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias