Aula Pública Opera Mundi: o que a sociedade deve esperar da universidade?

Reitora da PUC, Maria Amalia Andery, discute qual é a função social do ensino superior

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Maria Amalia Andery explica como as universidades dialogam com o cotidiano das cidades


As universidades não são apenas lócus para formação de recursos humanos. Ou seja, instituições forjadas para atender a manuntenção de profissionais no mercado de trabalho. Com a pesquisa e a produção de conhecimento, as universidades cumprem o papel de produzir e gerar riquezas — materiais e imateriais — que serão aproveitadas pelos cidadãos e pelas cidades onde estão abrigadas.

Essa é uma das análises de Maria Amalia Andery, psicóloga e reitora da PUC (Pontifícia Universidade Católica), ao discutir O que a sociedade deve esperar da universidade, na Aula Pública Opera Mundi.

Para a especialista, no decorrer da história, as universidades sempre fizeram diferença nos lugares onde estiveram. "Durante o século 20, o capitalismo traz às universidades características especiais, e o ensino superior passa a ocupar lugar central no desenvolvimento do conhecimento. A ciência pode fazer a diferença no lugar onde ela está. Nesse sentido, as instituições buscam garantir que a pesquisa e a produção de conhecimento estejam associadas às demandas do locais", afirma.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Maria Amalia Andery: o que a sociedade deve esperar da universidade?

 

Aula Pública Opera Mundi: o que levou à Revolução Russa em 1917?

Aula Pública Opera Mundi: como o direito internacional garante o respeito às minorias?

Aula Pública Opera Mundi: qual é a situação da diplomacia brasileira após o impeachment?

 

No segundo bloco, a profa. Maria Amalia Andery responde perguntas do público da PUC-SP, campus Perdizes.


Ao discutir o exemplo brasileiro, Maria Amalia Andery destaca que, com políticas de inclusão e valorização da diversidade, é possível construir pontes para uma educação capaz de responder os desafios contemporâneos.

"Em 1945, o Brasil tinha 20 mil estudantes universitários, o que, na época, significava uma vaga para aproximadamente 2 mil brasileiros. Hoje temos 7 milhões e 300 mil universitários, o que significa uma vaga para cada 25 brasileiros. Ou seja, essa diferença é importante porque, cada vez mais, jovens passaram a participar do papel formativo que a universidade tem. Como consequência, há melhores trabalhos, mais recursos. E, principalmente, os jovens ganham mais independência e autonomia. Liberdades de escolha e de decisão", analisa.

"O mundo capitalista tornou o conhecimento e a ciência em forças produtivas, ou seja, em geração de receita. Com o capistalismo, o conhecimento que gera riqueza e a existência das pessoas passa a ser produzido, principalmente, pela produção científica. Onde se faz ciência atualmente no mundo? Nas universidades", afirma Andery.

 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias