Procurador espanhol pode pedir prisão de prefeitos catalães que apoiarem o referendo

Referendo sobre independência da Catalunha está marcado para o próximo dia 1º de outubro; câmaras municipais serão investigadas

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O procurador-geral da Espanha, José Manuel Maza, pediu nesta quarta-feira (12/09) aos promotores da Catalunha que convoquem para depor os prefeitos da região que cedam locais para a votação do referendo independentista marcado para o próximo dia 1º de outubro, ameaçando-os com a prisão caso não atendam à convocação.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O rei da Espanha, Felipe VI, também falou sobre a votação e afirmou que a Constituição "prevalecerá sobre qualquer ruptura". O monarca reiterou que os "direitos que pertencem a todos os espanhóis serão preservados contra aqueles que se situam fora da legalidade constitucional e estatutária".

O discurso do rei é mais um capítulo dentro do clima de tensão existente entre o governo regional da Catalunha, que mantém o referendo independentista, apesar de a votação ter sido suspensa pelo Tribunal Constitucional por considerá-lo ilegal.

Agência Efe

Comemoração do dia da Catalunha no último 11 de semtebro apoiando a realização do referendo

Para cumprir a decisão, Maza, em um ofício enviado aos promotores-chefes da Catalunha, pediu que caso os prefeitos não compareçam aos tribunais, sejam detidos. O procurador também pediu que tenham prioridade as cidades com maior população;

A carta de Maza traz em anexo a relação das 712 câmaras municipais que, segundo o site da Associação de Municípios pela Independência, assinaram decretos para colocar à disposição do governo regional da Catalunha os locais necessários para a realização do referendo de independência.

Parlamentares catalães aprovam legislação sobre referendo para separação da Espanha

'Não haverá referendo na Catalunha', diz presidente da Espanha

Governo espanhol recorre à Justiça contra aprovação de lei catalã para separação

 

O procurador-geral afirma na carta que "qualquer conduta das autoridades que facilite a disposição de locais para o referendo, após a suspensão do Tribunal Constitucional, pode construir crime".

Maza ordenou que sejam abertas investigações contra cada uma das câmaras municipais que estão na lista e que o prefeito respectivo seja chamado para depor como investigado, acompanhado de advogado, sobre "os supostos atos de cooperação com o referendo ilegal".

Caso o prefeito não compareça ao depoimento, a carta indica que o promotor deverá acertar a prisão da autoridade e pedir que os Mossos D'Esquadra, a polícia autônoma da Catalunha, cumpra a ordem de detenção no "prazo mais breve possível".

Entre os municípios que colocaram à disposição locais para a votação estão importantes cidades catalãs, como Manresa, Vich e Girona. Barcelona, por enquanto, ainda não está na lista.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Termo estimula substituição de argumentos factuais por afirmações não comprovadas para manipular debate público, diz júri; iniciativa quer chamar atenção para palavras que ferem dignidade humana ou democracia

 

Sob a fumaça, a dependência

Não são apenas os fumantes que estão atrelados a um hábito do qual é difícil se livrar; o Brasil, líder global na exportação de tabaco, oculta sob os dados econômicos um quadro social de efeitos devastadores

 

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Após cinco séculos de mistério, equipe internacional de pesquisadores detecta bactéria, levada por europeus, que teria sido responsável pela morte de 15 milhões de pessoas em apenas cinco anos