Premiê espanhol ignora referendo e diz que convocará forças políticas para discutir futuro do país

Para o atual chefe de governo, governo catalão, ao realizar votação sobre a independência da região, agiu contra convivência democrática

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Atualizada às 20h04

O presidente do Governo da Espanha, Mariano Rajoy, anunciou neste domingo que convocará as forças representadas no Parlamento para uma reflexão conjunta sobre o futuro do país e defendeu o restabelecimento da normalidade institucional.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em declarações à imprensa após a votação independentista realizada na região da Catalunha, Rajoy disse que "não houve um referendo" e que todos os espanhóis constataram que o Estado de Direito se mantém forte e vigente.

O chefe de governo afirmou que o processo de demandas políticas não passa pela "quebra da legalidade" e responsabilizou o governo autonômico catalão, promotor da iniciativa, de ter agido contra a convivência democrática.

O referendo foi convocado no início de setembro pelo Executivo catalão e suspenso imediatamente pelo Tribunal Constitucional.

Agência Efe

Presidente do Governo Espanhol, Mariano Rajoy, durante declaração institucional em Madri

Catalunha: Milhares saem às ruas para protestar contra prisões cometidas pela guarda civil espanhola

Mobilização contra repressão na Catalunha reúne 20 mil pessoas

Catalunha em clima de tensão na véspera do referendo

 

Mariano Rajoy elogioou o trabalho dos juízes, procuradores, da Polícia e da Guarda Civil, que reprimiram duramente eleitores catalães. O premiê direitista também agradeceu o apoio da União Europeia e da comunidade internacional ao que considerou um ataque grave à legalidade.

Sem citar diretamente os incidentes registrados por conta da atuação policial, Rajoy ressaltou que os responsáveis seriam os que "promoveram a ruptura da legalidade e da convivência". "Hoje prevaleceu a democracia, porque a Constituição foi cumprida", acrescentou, chamando ainda a votação de "mera encenação".

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990