'Cura gay' no Brasil ameaça cumprimento de metas das Nações Unidas sobre HIV, diz diretor do órgão

Especialista reforça importância do acesso à informação e vê discriminação como entrave para redução da epidemia; ONU tem metas para redução das infecções

O retorno da discussão sobre a ‘cura gay’ no Brasil é um obstáculo ao cumprimento das metas das Nações Unidas sobre HIV e aids. A avaliação é do diretor regional do Programa Conjunto da ONU sobre HIV/AIDS (UNAIDS) para a América Latina e o Caribe, César Núñez. Para o especialista, o fim de toda forma de discriminação é essencial para combater a epidemia.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

 “Não podemos falar de prevenção, tratamento e nem de fim da aids sem direitos humanos. Não podemos alcançar as metas com retorno de discussão sobre a cura gay, com projetos de lei que criminalizem a transmissão do HIV ou com qualquer outra forma de discriminação”, disse o dirigente durante a abertura do 11º Congresso de HIV/AIDS e do 4º Congresso de Hepatites Virais, na semana passada.

O gestor defendeu que campanhas de prevenção “quebrem tabus” e abordem francamente os desafios enfrentados pelos segmentos mais vulneráveis.

“O quadro atual (da epidemia de HIV/AIDS) ainda penaliza as mulheres e as populações-chave, em especial os jovens homens gays e outros homens que fazem sexo com homens, as travestis e transexuais, e também profissionais do sexo e seus clientes, pessoas que usam drogas, pessoas privadas de liberdade, os negros, as pessoas de baixa renda e baixa escolaridade, os indígenas e tantas outras populações marginalizadas não apenas no Brasil, mas em toda América Latina”, explicou.

Adair Gomes/ Imprensa MG

Para o especialista, o fim de toda forma de discriminação é essencial para combater a epidemia de HIV

Expectativa de vida com HIV é quase normal, afirma estudo

Governo do Uruguai propõe pensão vitalícia para pessoas trans vítimas de violência estatal

Parlamento alemão aprova casamento gay

 

Segundo Núñez, todos esses grupos devem ser incluídos em políticas públicas e na sociedade como um todo “porque, como qualquer pessoa neste planeta, têm o direito a uma vida plena e digna”.

Para o diretor, é necessária uma revolução da prevenção, que precisará ser acompanhada de uma revolução de dados e estatísticas, capazes de confirmar a eficácia das iniciativas que difundem como evitar a infecção pelo vírus HIV.

“É essencial sensibilizar sobre a importância da prevenção e tratamento, sobre o acesso à informação e ainda mais primordial falar sobre sexualidade e HIV. Não podemos quebrar preconceitos, eliminar estigmas e contribuir para o fim da epidemia sem dados que apoiem esse esforço”, defendeu o especialista.

Quais são as metas da ONU sobre HIV e AIDS

Em seu discurso, Núñez lembrou a importância das metas 90-90-90 da ONU — um conjunto de compromissos dos Estados-membros para garantir que, até 2020, 90% das pessoas vivendo com HIV estarão cientes de seu estado sorológico positivo, 90% dos indivíduos com o vírus estarão sob tratamento e 90% das pessoas em tratamento estarão com a carga viral indetectável.

“O terceiro 90 — de garantir que 90% das pessoas em tratamento estejam com carga viral indetectável — não significa apenas a adesão ao tratamento. Significa também melhor qualidade de vida para essas pessoas. E mais: estas pessoas passam a ser agentes protagonistas da prevenção, impactando toda a cadeia de resposta ao HIV”, explicou.

O diretor elogiou o protagonismo do Brasil que, por sua dimensão continental e capacidade de implementação de políticas, está estrategicamente posicionado no cenário global para avançar as iniciativas contra a epidemia. “Se não nos esforçarmos para alcançar o 90-90-90, o mundo corre o sério risco de falhar em sua missão de saúde global em relação à AIDS. Projeções mostram que os últimos dez anos terão sido em vão”, alertou.

“Não podemos incorrer no mesmo erro que fizemos com a tuberculose. Quando poderíamos ter a eliminado nos anos 80, com os avanços da saúde pública na época, deixamos a inércia tomar conta e reduzimos as iniciativas. Resultado: hoje temos a tuberculose multirresistente que é causa de muitas mortes de pessoas com HIV.”

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Protesto anti-Trump acaba em confronto no Líbano

Violência segue intensa no Oriente Médio após decisão americana de reconhecer Jerusalém. Policiais reprimem manifestação perto da embaixada americana em Beirute e, na cidade disputada, oficial israelense é esfaqueado