Justiça Federal do Mato Grosso do Sul decreta prisão preventiva de Cesare Battisti

Juiz considerou que italiano estaria tentando fugir do Brasil; Battisti diz que havia ido a Corumbá para 'pescar' e que ia à Bolívia para 'comprar roupas de couro'

A Justiça Federal do Mato Grosso do Sul decretou nesta quinta-feira (05/10) a prisão preventiva de Cesare Battisti, acusado de evasão de divisas ao tentar entrar na Bolívia com o equivalente a cerca de R$ 23 mil em moeda estrangeira.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo o juiz Odilon de Oliveira, teria ficado “claro” que o italiano estava tentando fugir do Brasil para escapar de uma eventual extradição. A decisão foi tomada ao fim de uma audiência em Corumbá (MS), onde Battisti é mantido sob custódia.

O italiano, que mora no Estado de São Paulo, foi interceptado na última quarta (04/10), quando tentava entrar na Bolívia de táxi ao lado de um amigo, Vanderlei Lima Silva. Eles levavam US$ 5 mil e cerca de 2 mil euros em espécie.

Em depoimento à Polícia Federal, Battisti disse que estava em Corumbá para "pescar" e que ia ao país vizinho para "comprar roupas de couro". Ele e Silva chegaram ao Mato Grosso do Sul de carro, junto com um terceiro homem, Paulo Neto Ferreira de Almeida, que os deixara perto da fronteira.

Esquerda brasileira passa por crise 'muito diferente' da latino-americana, diz Haddad

Itália negocia extradição de Cesare Battisti com governo brasileiro após prisão

Projeto Brasil Nação lança manifesto por eleições diretas e irrestritas em 2018

 

No veículo conduzido por Almeida, a PF afirma ter encontrado um "recipiente contendo resíduos de substância que aparenta ser cocaína". Também em seu depoimento, Battisti disse que "não receia ser extraditado" e garantiu que está "protegido judicialmente" pelo decreto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que lhe concede asilo político.

No segundo semestre de 2016, após a posse de Michel Temer, o governo italiano pediu para o Brasil reabrir o processo de extradição de Battisti, que foi condenado à prisão perpétua em seu país por envolvimento em quatro assassinatos na década de 1970, quando integrava o grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC).

O italiano passou por França e México até chegar ao Brasil, onde vive até hoje. Ele alega inocência dos crimes pelos quais foi condenado e diz ser vítima de perseguição política. Procurado pela ANSA, o advogado de Battisti, Igor Sant'Anna Tamasauskas, ainda não se pronunciou sobre a prisão preventiva de seu cliente. 

Agência Efe

Battisti foi preso por evasão de divisas na fronteira com a Bolívia e teve prisão preventiva decretada

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias