EUA: Milhares de imigrantes pedem renovação do DACA após Trump anunciar seu fim

Só podem renovar suas inscrições 'sonhadores' com permissão que venceria entre 5 de setembro e 5 de março de 2018

Aproximadamente 64 mil jovens imigrantes, conhecidos como "sonhadores" ('dreamers', em inglês), apresentaram solicitações para renovar suas inscrições no programa de alívio migratório DACA desde que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou o seu fim em 5 de setembro, informou nesta sexta-feira (06/10) à Agência Efe um porta-voz do governo americano.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O prazo para renovar a inscrição no programa migratório acaba à meia-noite (horário local) desta sexta, por isso os números ainda são provisórios devido ao volume de solicitações recebidas nos últimos dias, disse à Efe um porta-voz do Serviço de Cidadania e Imigração (USCIS, sigla em inglês), encarregado da gestão do DACA.

Em 5 de setembro, Trump anunciou o fim do programa de Ação Diferida para os Chegados na Infância (DACA, sigla em inglês), mas deu ao Congresso seis meses, até 5 de março de 2018, para esclarecer a situação dos jovens sem documentos que chegaram crianças aos Estados Unidos.

No total, o plano DACA, proclamado em 2012 pelo então presidente Barack Obama, beneficiou 800 mil jovens, um número que foi caindo e atualmente está em 690 mil "sonhadores", que ainda têm permissão para trabalhar temporariamente e não podem ser deportados, segundo dados do USCIS.

Nesta ocasião, só podem renovar suas inscrições os "sonhadores" com uma permissão que venceria entre 5 de setembro e 5 de março de 2018.

Esses "sonhadores" que acabam de renovar suas inscrições no DACA estarão protegidos até 2019, mesmo que o Congresso não aprove nenhum tipo de lei migratória.

Trump suspende programa de assistência a jovens imigrantes criado por Obama

México lamenta decisão dos EUA de encerrar programa para mais de 800 mil jovens imigrantes

Presidente dos Estados Unidos nega acordo com oposição sobre alternativa para jovens imigrantes

 

A partir daí, no entanto, esses jovens terão que deixar o país ou se transformarão em imigrantes irregulares, pois o DACA não concede nenhum status permanente e tem um limite de dois anos.

A bola agora está com o Congresso, que se encontra dividido em linhas partidárias, pois os democratas querem aprovar uma lei que sirva apenas para conceder residência aos "sonhadores", enquanto que a maioria dos republicanos condicionam sua ajuda à obtenção de fundos para reforçar a segurança fronteiriça.

Agência Efe

'Sonhadores' manifestam contra o fim do programa DACA


Entre as propostas legislativas que estão sendo debatidas no Congresso está o "Dream Act", uma lei que conta com o apoio de legisladores de ambos os partidos e que poderia beneficiar 3,4 milhões de pessoas, segundo cálculos do Instituto de Política Migratória, um grupo progressista.

O Congresso planejou, pela primeira vez, a situação dos "sonhadores" em 2001 com o "Dream Act" e, em 2013, esteve perto de regularizar sua situação através de uma reforma migratória, que acabou bloqueada no Congresso e teria beneficiado boa parte dos 11 milhões de imigrantes irregulares que vivem no país.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

China mantém crescimento acima da meta anual

Expansão de 6,8% da segunda maior economia do mundo no terceiro trimestre fica ligeiramente abaixo da alta no restante do ano; presidente afirma que perspectivas são "brilhantes", mas que país enfrenta "sérios desafios"