Cuba presta homenagem a Che Guevara no 50º aniversário de sua captura e morte

Nesta segunda (09/10), completa-se meio século da morte de Che, um dos ícones da Revolução Cubana; ato aconteceu em Santa Clara

Com honras de herói, Cuba rendeu tributo neste domingo (08/10) à figura e legado de Ernesto Che Guevara, tido como um "gigante moral" que deve ajudar a guiar novas gerações perante novas ameaças do imperialismo, pelo 50° aniversário de sua morte em combate na Bolívia. Che morreu nas mãos das forças de segurança bolivianas em 9 de outubro de 1967.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Jovens de todo planeta encontrarão na sua vontade de aço, sua fé na humanidade, sentido da honra e dignidade, audácia e austeridade, a inspiração para construir um mundo melhor", afirmou o primeiro vice-presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, no discurso do ato de homenagem, realizado hoje na cidade de Santa Clara, frente ao mausoléu que abriga os restos do guerrilheiro.

O presidente cubano e companheiro de luta em Sierra Maestra, Raúl Castro - que não fez nenhum discurso -, acompanhado de altos cargos no país e vestido de uniforme militar, depositou uma rosa branca sobre o mausoléu que abriga os restos do revolucionário argentino há 20 anos.

Veja também: Fotógrafo registra cenas de La Higuera, Bolívia, local onde Che foi morto há 50 anos

Esse mausoléu, inaugurado em outubro de 1997, quando chegaram a Cuba os restos mortais de Che 30 anos após sua execução em decorrência de sua capturado pela CIA na Bolívia, se transformou em local de peregrinação de militantes da esquerda de todo o mundo e foi visitado por 4,7 milhões de pessoas.

Canel lembrou de Che "como um ser humano íntegro", "modelo de homem altruísta" e "excepcional revolucionário" durante o ato em Santa Clara, cidade libertada pela coluna liderada por Ernesto Guevara durante a luta insurgente contra o regime de Fulgêncio Batista em dezembro de 1958.

Essa batalha foi crucial para o triunfo definitivo, em janeiro de 1959, da Revolução liderada por Fidel Castro e à qual Guevara serviu nos seus primeiros anos como diretor do Banco Central e Ministro de Indústria.

Fotos: Agência Efe

Multidão em Santa Clara assistiu à homenagem a Che Guevara

Raúl Castro: Apelo ao nosso combativo povo

Cuba vai enviar médicos e eletricistas a Porto Rico para ajudar a reparar danos causados pelo furacão Maria

Fotógrafo registra cenas de La Higuera, Bolívia, local onde Che foi morto há 50 anos; veja fotos

 

Para Canel, o legado de Che se transforma hoje em um "reforço moral" para enfrentar o futuro em "um mundo acumulado de contradições e incertezas" com constantes ameaças à paz e à segurança internacional por parte de "poderosos interesses de dominação e conquista".

O vice-presidente se referiu aos planos "colonizadores" dos Estados Unidos, que pretendem abrir passagem ao capitalismo e ao imperialismo - principal inimigo de Che em suas lutas por todo o mundo - em Cuba e em seu principal aliado na região, a Venezuela.

"A história nos ensina que quando um projeto revolucionário, social diferente, mais justo e mais humano, entra em andamento, em seguida enfrenta enormes dificuldades, fortes pressões econômicas e diplomáticas, campanhas midiáticas de desprestígio e difamação, inclusive a ameaça de intervenção militar para castigar sua ousadia", disse.

Neste novo contexto, Canel disse que o "exemplo do 'Che' se agiganta e se multiplica" no povo cubano, que defenderá para sempre a sua Revolução".


Homenagem aconteceu no mausoléu de Che na cidade cubana


Entre os presentes, Elisdari, uma estudante pré-universitária, qualificou Che como uma das personalidades "mais importantes da história de Cuba e também de toda América Latina", uma figura que "chega ao coração de todo o mundo".

"Para Santa Clara é muito importante que os seus restos estejam aqui. Como grande internacionalista, foi a outros países para melhorar a vida dos demais após ter combatido no nosso território", afirmou o atleta aposentado Luis Alberto García sobre as missões revolucionárias de Che no Congo e na Bolívia após o triunfo da Revolução em Cuba.

"Che nos representou nas lutas revolucionárias de todo o povo do mundo. É um exemplo para o internacionalismo, como foi Fidel e todos os grandes heróis da nossa história e os libertadores da América", destacou Alina Prieto, uma professora de Santa Clara.

As homenagens a Che, guerrilheiro heróico da Revolução, ocorreram em todo o país por causa do 50° aniversário de sua execução com festas culturais, exposições e matérias especiais na imprensa. 


Raúl Castro acompanhou a cerimônia

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias