Cinquenta anos da morte de Che: a última viagem de Ernesto

Em entrevista feita há seis anos, amigo de infância conta detalhes da personalidade e da viagem que fez pela América Latina com Che Guevara, morto há 50 anos

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Nesta semana o argentino Ernesto Guevara de la Serna, que entrou para a história simplesmente como Che, será lembrado mundo afora em razão dos 50 anos de sua morte, em 9 de outubro de 1967.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Após a Revolução Cubana, em 1959, Che tornou-se um destacado membro do governo de Cuba e logo se transformou numa espécie de embaixador guerrilheiro do país mundo afora, participando de lutas fracassadas primeiro no Congo, em 1965, e depois na Bolívia, dois anos mais tarde, quando foi preso e executado.

Em 1953, ao lado do amigo de infância Carlos Calica Ferrer, quando acabava de se formar em medicina, Ernesto Guevara fez sua segunda e última viagem pela América Latina – ao final dela, no México, ele conheceria os irmãos Fidel e Raúl Castro e, ao lado de outros barbudos, faria história.

Nascido em 14 de maio de 1928 em Rosário, Argentina, Che se mudou com a família, quando tinha apenas 4 anos, para o pequeno município de Alta Gracia, na província de Córdoba, no norte da Argentina. A razão da mudança era o excelente clima da cidade encravada nas montanhas cordobesas, ideal para tratar doenças respiratórias como a asma, que atormentaria o futuro guerrilheiro por toda a vida.

Cubadebate

Che foi morto pela polícia boliviana em 1967

'Com o Supremo, com tudo': quem é Romero Jucá, o 'resolvedor-geral' da República

Pai de primo de Aécio confirma desabafo: 'Ele não honra a memória do pai e do avô'

Endurecimento de leis imigratórias na Argentina atinge diretamente população latino-americana

 

Uma das primeiras crianças que Ernesto conheceu em Alta Gracia foi Carlos, um ano mais novo, cujo pai, médico, foi o primeiro a cuidar de sua saúde. Tornaram-se amigos de escola, de travessuras e de boemia. Em 1953, quando tinham 20 e poucos anos, eles fizeram uma viagem em que cortariam juntos, de carona, Bolívia, Peru e Equador, onde se separaram. Ernesto seguiu para a América Central, enquanto Carlos se radicou na Venezuela.

O giro com o amigo cordobês foi o último pela América Latina – o primeiro, com Alberto Granado, anos antes, seria retratado no cinema no filme Diários de motocicleta, de Walter Salles. Aos 88 anos, Carlos Calica Ferrer ainda vive em Buenos Aires, onde esta entrevista foi feita, no segundo semestre de 2011. Nela, ele conta sobre sua relação com Ernesto – como ele se refere ao Che até hoje – e histórias da viagem e da personalidade do amigo que se tornaria um dos rostos mais famosos do século XX.

Veja a entrevista de Carlos Calica Ferrer: 

(*) Publicado originalmente na Agência Pública

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990