Perseguição à comunidade LGBT já provocou mais de 200 prisões na Indonésia só em 2017

Homossexualidade só é copsiderada ilegal na província de Aceh, onde se aplica a sharia, mas a polícia utiliza essa lei para criminalizar toda a comunidade LGBT que vive no país, segundo a HRW

A perseguição a lésbicas, gays, bissexuais e transexuais na Indonésia já provocou a prisão de mais de 200 pessoas neste ano, além de muitas acusações de violação da lei contra a pornografia, apesar de a homossexualidade só é considerada ilegal na província de Aceh, onde se aplica a sharia (a lei islâmica).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Ativistas e ONGs, como a Human Rights Watch (HRW), denunciam que a polícia da Indonésia utiliza essa lei, que só está em vigor na província do norte da ilha de Sumatra, para criminalizar toda a comunidade LGBT que vive no país.

Segundo HRW, a retórica homofóbica por parte de políticos aumentou de forma considerável desde janeiro de 2016. Muitos dos casos foram instigados por grupos islamitas que condenam a homossexualidade no país, de maior população muçulmana no mundo.

"Qualquer político que dê a cara a tapa pode ter perdas eleitorais, mas os indonésios precisam de líderes de verdade, homens e mulheres que queiram defender os direitos humanos", disse o pesquisador para a Indonésia da HRW, Andreas Harsono.

Apesar de o presidente do país, Joko Widodo, ter feito discurso contra a discriminação de minorias em outubro de 2016, as intervenções policiais continuaram em 2017.

Prisões

Na última sexta-feira (07/10), as forças de segurança prenderam 58 pessoas em uma sauna gay no centro de Jacarta. Entre eles estavam seis cidadãos da China, Holanda e Tailândia.

Governo do Uruguai propõe pensão vitalícia para pessoas trans vítimas de violência estatal

Parlamento alemão aprova casamento gay

'Cura gay' no Brasil ameaça cumprimento de metas das Nações Unidas sobre HIV, diz diretor do órgão

 

Wikicommons

Apenas em 2017, 200 pessoas já foram presas na Indonésia por serem LGBTs

A polícia libertou 53 dos detidos no dia seguinte e acusou os cinco funcionários do local de divulgar material pornográfico, organizar atos sexuais ou espetáculos que simulam atos sexuais em público. Eles podem pegar até 12 anos de prisão. "Os clientes não podem ser punidos pela lei, só os gerentes e os organizadores de evento", explicou à Agência Efe o porta-voz da Polícia de Jacarta, Argo Yowono.

As autoridades levaram as cinco pessoas que permanecem presas à sauna gay, em uma ação que teve a presença da imprensa. O familiar de um dos presos, que conversou com a Efe, mas pediu anonimato, disse que seu parente estava "perturbado" quando foi detido e afirma que pagou aos policiais 400 mil rupias (25 euros) para responder o caso em liberdade.

Nesse ano, além da operação policial na última sexta, as autoridades fizeram outras cinco nas províncias de Aceh, Java Oriental, Jacarta, Sumatra do Norte e Java Ocidental.

Em março, um grupo de vizinhos invadiu uma casa em Aceh para delatar homossexuais. Eles foram gravados nus e segurados até a chegada das autoridades. Dois meses depois, ambos receberam 83 chibatadas como pena em um palco erguido perto de uma mesquita na cidade de Banda Aceh, a capital da província.

Em junho, a polícia de Medan, capital da província de Sumatra do Norte, prendeu cinco lésbicas e pediu que os pais delas as vigiassem.

O ativista Teguh Iman, da Suara Kita, uma organização que promove a diversidade sexual na Indonésia, disse que as ações buscam "aterrorizar a comunidade LGBT".

"Fortalecemos a nossa comunidade, iremos dizer para que não tenham medo. Depois fortalecemos nossas redes em particular, tentamos conscientizar as pessoas sobre esses assuntos, para depois respondermos ao seu discurso sobre LGBT usando nossos meios", disse Iman.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias