É possível ter havido um 'ataque sônico' contra a embaixada dos EUA em Cuba? Cientistas duvidam

Estados Unidos haviam ordenado retirada de todo seu pessoal não essencial da embaixada americana em Havana sob alegação de ataque sônico; cientistas contestam esta versão

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Em agosto deste ano, uma estranha notícia chamou a atenção: uma série de ataques sonoros à embaixada americana em Havana teria deixado ao menos 16 vítimas, que apresentaram sintomas como perda de audição, náuseas e perda de equilíbrio. O Departamento de Estado norte-americano não deu detalhes oficiais sobre a condição médica dos afetados. Mas o governo sugeriu que os diplomatas haviam sido atacados por uma espécie de arma sônica, que não foi descrita.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A consequência do estranho “ataque” foi a retirada de todo o pessoal não essencial da capital cubana, além da suspensão da emissão de vistos para o país. No entanto, o jornal norte-americano The New York Times ouviu especialistas em diversas áreas da ciência que contestaram a possibilidade de um ataque sônico desta natureza. 

“Eu diria que é bastante implausível”, afirmou o físico Jürgen Altman, formado na Technische Universität Dortmund, na Alemanha. “Por que entrar lá com paus e armas se você pode ir com algo simples, como um gerador de som?”, ironizou Geoffrey S.F Ling, neurologista na Universidade Johns Hopkins.

Wikipedia Commons

O Departamento de Estado americano não deu detalhes oficiais sobre a condição médica dos afetados. Mas o governo sugeriu que os diplomatas haviam sido atacados por uma espécie de arma sônica, que não foi descrita

EUA avaliam fechar embaixada em Cuba após 'ataques acústicos'

EUA ordenam expulsão de 15 funcionários da embaixada cubana em Washington

Cuba presta homenagem a Che Guevara no 50º aniversário de sua captura e morte

 

Pesquisas envolvendo armamento sonoro não letal ocorrem há décadas – inclusive feitas pelo Pentágono -, e já foram usadas para dispersar manifestações. No entanto, essas armas são feitas para produzir um som muito alto, algo que teria sido facilmente notado.

Mesmo que outras pesquisas tivessem tido sucesso em desenvolver uma arma ultrassônica, as leis da física tornariam improvável que a arma conseguisse afetar alguém que estivesse a uma longa distância. “Ultrassom não pode viajar uma longa distância”, afirma Jun Qin, engenheiro acústico pela Universidade do Sul de Illinois.

Outra possibilidade é de armas que emitam uma faixa grave, inaudível ao ouvido humano, conhecido como “infrassom” - algo que está mais próximo dos relatos feitos pelos diplomatas que sofreram o ataque. No entanto, experimentos feitos com frequências deste nível apontaram dificuldades para concentrar os comprimentos de onda. Um relatório feito em 2002 pelo Instituto Nacional de Saúde Ambiental apontou que armas deste tipo usadas em humanos haviam causado apenas “um pequeno incômodo”.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990