França, Alemanha e Portugal dizem que não reconhecem declaração de independência da Catalunha

Nesta terça-feira (10/10), o presidente catalão, Carles Puigdemont, anunciou a decisão de se separar da Espanha e, logo em seguida, sustou os efeitos da afirmação

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Em comunicados quase simultâneos, a França, Alemanha e Portugal afirmaram que não irão reconhecer uma possível independência da Catalunha. Os textos foram divulgados nesta quarta-feira (11/10). Na terça (10/10), o presidente catalão, Carles Puigdemont, anunciou a decisão de se separar da Espanha e, logo em seguida, sustou os efeitos da afirmação.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Paris afirmou dizendo que irá considerar ilegal “qualquer declaração unilateral de independência” do governo catalão. A chancelaria afirmou, em nota, que acompanha com preocupação as declarações feitas ontem (10/10) pelo presidente catalão, Carles Puigdemont. “Qualquer solução a esta crise interna tem que ser resolvida no marco institucional espanhol”, declarou.

Para o governo francês, "a unidade e a legalidade constitucional devem ser respeitadas e preservadas".  O presidente Emmanuel Macron também se colocou a favor da posição de Madri.

Agência Efe

França, Alemanha e Portugal afirmaram nesta quarta-feira que não irão reconhecer declaração de independência

Espanha: Prefeita de Barcelona pede para presidente catalão não declarar independência

Presidente da Catalunha declara independência, mas suspende seus efeitos para tentar abrir diálogo com Madri

Premiê da Espanha ameaça Catalunha com intervenção e pede para região 'esclarecer' se declarou independência

 

Berlim

O governo alemão também emitiu uma declaração ao lado do governo da Espanha, rejeitando mediar a crise. Para a Berlim, o distúrbio é “um assunto interno espanhol” e uma declaração de independência “não teria nenhum reconhecimento”. A chanceler alemã, Angela Merkel, propôs um diálogo para “encontrar soluções dentro da constituição espanhola"

O premiê de Portugal, António Costa, chamou a Espanha de “um país irmão”, mas se colocou contra uma eventual independência da Catalunha. “Registramos o que aconteceu ontem e reafirmamos a posição clara de apoio ao respeito pelo Estado de Direito e pela constituição da Espanha, pela unidade da Espanha”, declarou Costa à imprensa portuguesa.

“Aquilo que se espera de um país amigo como Portugal é uma palavra forte e inequívoca de grande solidariedade em relação à Espanha (...). O nosso desejo é pelo respeito à democracia da Espanha e que todos, no quadro constitucional, possam encontrar as melhores vias de solução para o futuro da Espanha”, frisou o primeiro-ministro.

Já em um comunicado oficial, Lisboa destacou “a importância de um diálogo político responsável entre as relevantes instituições espanholas, no quadro do estado de direito democrático”. O comunicado diz ainda que “o governo português acompanha com toda a atenção a situação da Catalunha e respeita a soberania da Espanha”.  

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias