Itália: 'Extradição seria me entregar à morte', afirma ex-ativista Cesare Battisti

Governo brasileiro definiu retirar status de refugiado e extraditar o italiano caso habeas corpus seja negado

O governo de Michel Temer decidiu revogar a condição de refugiado do ex-ativista Cesare Battisti e extraditá-lo caso o Supremo Tribunal Federal (STF) não conceda habeas corpus provisório ao italiano. A estratégia do governo brasileiro é de esperar a decisão do STF sobre o caso. O pedido está na mesa do ministro Luiz Fux, que ainda não informou se levará o caso a seus colegas ou se decidirá de forma monocrática.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, Battisti afirmou que extraditá-lo significaria entrega-lo a morte. "Não sabemos em que se baseia o gabinete jurídico da Presidência para que eu possa ser extraditado. Não sei se o Brasil vai querer se manchar sabendo que o governo e a mídia criaram este monstro na Itália. Vão me entregar à morte", disse.

O ex-ativista também negou que estivesse tentando fugir para a Bolívia, onde tentara entrar com o equivalente a mais de R$ 20 mil em moeda estrangeira, e reafirmou que seu objetivo era comprar roupas de couro no país vizinho.

"Estava indo com dois amigos pescar. Um de nós já havia ido lá, conhecia, e decidimos ir em um shopping para comprar casacos de couro, que são mais baratos, vinhos e material para pescar. Foi uma besteira porque a informação que eu tinha era que o shopping não estava em território boliviano, estava numa zona franca", declarou.

Segundo Battisti, "estava tudo preparado" para prendê-lo. "Uma festa na delegacia. Estavam bem contentes, dançavam. Estavam convencidos de que de lá eu iria para a Itália, que não me soltariam", acrescentou.

Justiça Federal do Mato Grosso do Sul decreta prisão preventiva de Cesare Battisti

Governo brasileiro tem plano para extraditar Cesare Battisti para Itália direto do Mato Grosso do Sul

Cesare Battisti é libertado de prisão no MS após juiz conceder habeas corpus

 

O italiano ainda disse que o dinheiro apreendido pela PF não era só dele, mas também dos dois amigos que o acompanhavam. "Se fosse sair do país, não iria para a Bolívia. Tenho mais relações no Uruguai. É um país um pouco mais confiável", reforçou Battisti, que ainda voltou a negar participação em qualquer assassinato.

Agência Efe

Battisti nega que estaria fugindo para Bolívia e alerta que extradição seria sua morte

"O que mais me preocupa é a ideia de que não vou mais ver meu filho se acontecer isso [a extradição]. Ele vai fazer quatro anos no dia 13 de novembro. Outra coisa horrível é que não se pode dar a possibilidade a uma pessoa de se reproduzir e se criar em um país legalmente e de repente tirar tudo. Que é isso? É uma coisa horrível. É monstruoso. Não sou clandestino, não estou cometendo atos ilícitos", disse. 

O ex-ativista foi condenado à prisão perpétua na Itália acusado do assassinato de quatro pessoas na década de 1970. Num julgamento à revelia, Battisti foi condenado à prisão perpétua na Itália, em 1993, acusado de quatro assassinatos durante os anos 1970. Exilado, viveu na França e no México antes de fugir para o Brasil, onde foi preso em 2007 e ganhou o status de refugiado no último dia de governo do ex-presidente Lula.

*Com informações da ANSA.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias