Aula Pública Opera Mundi com Jessé de Souza: a elite faz a classe média de tola?

Ex-presidente do IPEA, professor da UFABC e autor do livro 'A Elite do Atraso - da Escravidão à Lava Jato', Souza explica como os mais ricos sufocam trabalhadores brasileiros

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Jessé de Souza explica relações da escravidão com a elite brasileira


Para além da perspectiva eurocêntrica, é importante reconstruir a história brasileira a partir da escravidão. Devemos, portanto, desenvolver uma perspectiva analítica que supere a ideia do brasileiro como "vira-lata" e corrupto - afinal, é a escravidão, e não a corrupção, que confere marca estrutural à sociedade brasileira. Esta é uma das análises de Jessé de Souza, ex-presidente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e professor titular da UFABC, ao responder se A elite faz a classe média de tola, na Aula Pública Opera Mundi.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Autor do livro 'A Elite do Atraso — da Escravidão à Lava Jato' (Editora Leya C.P., p. 240, compre online), Jessé argumenta que é preciso revisar como as relações de poder se estabeleceram no país, criando desigualdades e tensões insuperáveis até os dias atuais.

"Os escravos continuam até hoje, prestando o mesmo serviço de antes, ou seja, vendendo a energia muscular. São faxineiras, empregadas domésticas e outras ocupações que não vendem o conhecimento, mas sim o corpo. Como traço de toda sociedade escravocrata, temos uma elite que sempre teve como padrão o saque e a rapina das riquezas de curto prazo - portanto, sem planejar o futuro", afirma.

Aula Pública com Marcos Pires: qual é o futuro econômico da China?

Aula Pública com Gilberto Rodrigues: Para que serve a ONU?

Aula Pública com Juarez Xavier: por que mídias radicais são fundamentais para as contranarrativas populares?

 

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Jessé de Souza: a elite faz a classe média de tola? 


No segundo bloco, Jessé de Souza responde perguntas do público da Universidade Metodista



Para o especialista, a elite rouba e explora os mais pobres para poder investir em atividades rentáveis. Como consequência, aumenta-se a desigualdade, implicando na reprodução da miséria entre a "ralé".

"Com a classe trabalhadora, a elite irá se comportar da mesma forma que se comportava com os escravos: com pancadas, enganos, engodos e assassinatos. Com a classe média, a elite percebeu que a conversa seria outra, pois, entre os setores médios, havia maior poder de fogo e organização. Por isso, outra abordagem fez se necessária", analisa.

 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990