Madri assume poder na Catalunha, mas líderes ignoram ordens

Premier espanhol, Mariano Rajoy, designou os poderes e as funções administrativas para sua vice, Soraya Saenz

A região da Catalunha amanheceu neste sábado (28/10) sob o comando político do governo espanhol após a destituição do então presidente, Carles Puigdemont, e de seu vice, Oriol Junqueras.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O premier espanhol, Mariano Rajoy, designou os poderes e as funções administrativas para sua vice, Soraya Saenz, segundo informou um boletim do Estado espanhol publicado no Diário Oficial.

"O Conselho dos Ministros assume as funções e as competências que correspondem ao Conselho de Governo da Generalitat da Catalunha", informa o Diário Oficial, destacando que os ministros de Madri irão também cumprir seus cargos na região.

Agência Efe

Apesar da destituição do governo, os representantes catalães ignoraram as medidas e mantiveram sua agenda para este sábado (28/10)

Nesta sexta-feira (27/10), Rajoy anunciou a intervenção na Catalunha através da inédita ativação do artigo 155, que suspende a autonomia da região e deve convocar novas eleições nos próximos meses.

A decisão do Senado ocorreu no mesmo dia em que o Parlamento da Catalunha decretou sua independência da Espanha, em decisões que marcaram o ápice da crise política entre os líderes dos dois lados.

Senado espanhol aprova intervenção na Catalunha após região declarar independência e proclamar República

Intervenção espanhola na Catalunha inclui destituição de governo e controle da economia; veja outras medidas

Espanha destitui governo da Catalunha e convoca eleições para dezembro

 

No entanto, apesar da destituição, os representantes catalães ignoraram as medidas e mantiveram sua agenda para este sábado, que inclui uma reunião para preparar as "eleições constituintes" da nova "República catalã".

Um dos ministros catalães, Josep Rull, se manifestou publicamente sobre a decisão do governo espanhol e disse que o Parlamento e seus líderes continuarão "andando adiante".

- Polícia: Além de destituir as lideranças e o Parlamento catalão, o decreto no Diário Oficial anunciou a destituição do comandante do Mossos d'Esquadra, a polícia local. Josep Lluis Trapero foi removido por ordem do Ministério do Interior por conta de não ter seguido as ordens do governo de Madri e impedido as manifestações em Barcelona em 20 e 21 de setembro.

Em nenhum momento os Mossos se colocaram contra a população, ignorando as ordens do governo espanhol e mantendo a segurança dos catalães - inclusive no dia do referendo separatista que foi considerado "ilegal" pela Espanha.

De acordo com a mídia da capital da região, cerca de 150 funcionários do então governo catalão foram destituídos de seus cargos nas últimas 24 horas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Protesto anti-Trump acaba em confronto no Líbano

Violência segue intensa no Oriente Médio após decisão americana de reconhecer Jerusalém. Policiais reprimem manifestação perto da embaixada americana em Beirute e, na cidade disputada, oficial israelense é esfaqueado