Manifestantes vão às ruas na Catalunha em greve contra repressão espanhola e por libertação de presos

Cerca de 30 estradas da região foram interditadas; trens de alta velocidade e os de percurso regional também tiveram serviços interrompidos

Manifestantes promovem nesta quarta-feira (08/11) na Catalunha uma greve como forma de protestar contra a "repressão" da Espanha e pela "libertação" dos "presos políticos". A região vive uma crise com o governo central espanhol devido às suas ambições de proclamar independência. A paralisação atingiu, principalmente, os serviços de transporte.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Cerca de 30 estradas da região foram interditadas. Os trens de alta velocidade e os de percurso regional também tiveram os serviços interrompidos. A emissora catalã TV3 fala em “colapso” no trânsito da região e relata que há um número elevado de passageiros em estações ferroviárias que não conseguiram embarcar.

A adesão é baixa, mas as ações conseguiram travar boa parte dos transportes. Na estação de Girona, por exemplo, manifestantes baixaram às vias para impedir a circulação dos trens, mesmo com a polícia tentando agir para evitar o fato.

Puigdemont e ex-secretários catalães se entregam na Bélgica

Justiça da Bélgica deixa ex-presidente catalão em liberdade, mas impõe medidas cautelares

Em liberdade condicional, Puigdemont critica Justiça espanhola

 

Reprodução/TV3

Manifestantes desceram à via na estação de Girona, na Catalunha, e impediram passagem dos trens

Defensor da independência, o presidente afastado da Catalunha, Carles Puigdemont, foi destituído do seu cargo pelas autoridades de Madri, que o acusaram de violar a Constituição. Foragido na Bélgica, o político e outros quatro ex-secretários aguardam uma audiência, marcada para dia 17, sobre o pedido de extradição da Espanha. Eles cumprem medidas cautelares e estão com a liberdade restringida.

Nesta terça (07/11), em uma entrevista a uma rádio, Puigdemont fez um apelo para que os partidos catalães se unam e apresentem uma candidatura conjunta nas eleições regionais antecipadas de 21 de dezembro, que escolherão o novo governo da zona autônoma. No entanto, as principais legendas, o Partido Democrata Europeu Catalão (Pdecat), de Puigdemont, e a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) não conseguiram ainda chegar a um acordo.

Ainda na terça, cerca de 200 prefeitos que defendem a independência da Catalunha marcharam pelas ruas de Bruxelas para exigir a libertação dos líderes políticos detidos. Os manifestantes se reuniram na sede da Comissão Europeia.

(*) Com Ansa e teleSUR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias