Aula Pública Opera Mundi: projeto 'Escola Sem Partido' ameça o livre pensamento?

Doutor em Educação, professor Edson Fasano discute como pluralidade e diversidade correm riscos com o avanço do autoritarismo

Opera Mundi TV

Edson Fasano discute como 'Escola Sem Partido' se configura como um projeto autoritário


Sob a justificativa de fiscalizar a "doutrinação ideológica" na educação, o projeto 'Escola sem Partido', na verdade, representa uma proposta autoritária e pouco democrática. Nesse sentido, deveríamos classificá-los como 'Escola do Partido Único': afinal, em última instância, o que esse grupo combate é a pluralidade do pensamento. Esta é uma das análises de Edson Fasano, historiado e doutor em Educação pela Universidade Metodista, ao responder se A Escola Sem Partido Ameaça o Livre Pensamento, na Aula Pública Opera Mundi.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Um movimento que defende a pluralidade de ideias não pode exigir do currículo escolar proibições de temáticas que, no geral, estão diretamente vinculadas aos desafios da contemporaneidade. Nesse sentido, podemos dizer que o 'Escola Sem Partido' dificulta a pluralidade de pensamento, pois eles partem de pressupostos totalitários. Ou seja, a ideia de uma sociedade única, de uma história única", afirma Fasano.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Edson Fasano: 'Escola Sem Partido' Ameaça o Livre Pensamento?

Aula Pública Opera Mundi: o que a sociedade deve esperar da universidade?

Aula Pública Opera Mundi: por que há sofrimento e mal-estar na crise política?

Aula Pública Opera Mundi: qual a influência da comunicação nos fluxos migratórios?

 

No segundo bloco, o professor Edson Fasano responde perguntas do público na Universidade Metodista. 

Uma das tensões provocadas pelo projeto 'Escola Sem Partido' diz respeito à educação familiar. Por exemplo, na perspectiva dos partidários do movimento, questões de gênero devem ser tratadas no âmbito familiar, não no currículo escolar. Além disso, relações étnico-raciais, indígenas e de movimentos sociais são, no geral, ideológicas e partidárias. Logo, não devem permear o cotidiano de professores e estudantes.

"Eles [Escola Sem Partido] defendem uma diferença entre educação e escolarização. Esta significa um mecanismo - ou uma ferramenta - para a formação dos cidadãos para o mercado de trabalho. Já a educação, numa perspectiva mais ampla, não é papel do Estado, mas sim da família. Essa ideia, podemos dizer, desrespeita o artigo 205 da Constituição: 'a educação brasileira é um direito do cidadão, e um dever do Estado e da família'. Logo, nossa lei prevê que a formação é uma corresponsabilidade entre as partes e a educação não deve ser unidirecional, mas sim ser direcionada para a cidadania e para o mundo do trabalho", explica Fasano.

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.