Justiça espanhola liberta cinco deputados catalães

Deutsche Welle
Presidente de parlamento dissolvido, Carme Forcadell, permanece na prisão até pagar a fiança estipulada em 150 mil euros; grupo é acusado de rebelião após votar pela independência da Catalunha

Um tribunal espanhol mandou libertar nesta quinta-feira (09/11) cinco integrantes do parlamento catalão dissolvido, entre eles a presidente da Casa, Carme Forcadell. Eles poderão acompanhar em liberdade a investigação sobre o envolvimento na tentativa de independência da Catalunha. Forcadell, no entanto, permanecerá presa até pagar a fiança. Os parlamentares são acusados de rebelião.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A decisão de libertá-los contrariou o pedido de prisão provisória feito pela Procuradoria Geral da Espanha. O juiz determinou ainda que os quatro deputados regionais paguem uma fiança de 25 mil euros no prazo de uma semana. Para Forcadell, o valor estipulado foi de 150 mil euros.

A presidente do parlamento dissolvido não conseguiu reunir esse valor e, por isso, foi transferida para um centro penitenciário em Madri. A expectativa é que Forcadell reúna o dinheiro necessário nesta sexta-feira, podendo assim sair da prisão.

O Parlamento regional Catalão anunciou que pagará com seu "caixa de solidariedade" o valor da fiança estabelecida para a presidente e para os quatro deputados, que eram membros da mesa diretora.

Apesar de definir a fiança, o juiz determinou que Forcadell compareça semanalmente a um tribunal enquanto estiver em liberdade. Além disso, ela está proibida de sair da Espanha.

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Papa diz que negar mudanças climáticas é 'atitude perversa'

Relatório confirma colaboração ativa da Volkswagen com ditadura no Brasil

 

picture-alliance/AA/J. C. Rojas

Carme Forcadell fica presa até pagar fiança

Outro parlamentar acusado provou nesta quinta-feira perante o tribunal ter votado contra a independência e ficou livre do processo.

Em 27 de outubro, o Parlamento regional da Catalunha aprovou, em Barcelona, a independência da região e a separação da Espanha numa votação secreta sem a presença dos principais partidos que se opõem à proposta, que abandonaram a sala minutos antes.

Em reação, Madri assumiu o controle dos poderes autônomos da Catalunha. A medida possibilitou a destituição do governo regional, a restrição dos poderes do Parlamento catalão e convocação de eleições para dezembro.

A Procuradoria Geral da Espanha iniciou um processo contra os envolvidos na declaração de independência, por rebelião e sedição, e pediu a prisão de alguns integrantes do governo dissolvido e parlamentares.

CN/efe/rtr/ap

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.