Justiça espanhola liberta cinco deputados catalães

Deutsche Welle
Presidente de parlamento dissolvido, Carme Forcadell, permanece na prisão até pagar a fiança estipulada em 150 mil euros; grupo é acusado de rebelião após votar pela independência da Catalunha

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Um tribunal espanhol mandou libertar nesta quinta-feira (09/11) cinco integrantes do parlamento catalão dissolvido, entre eles a presidente da Casa, Carme Forcadell. Eles poderão acompanhar em liberdade a investigação sobre o envolvimento na tentativa de independência da Catalunha. Forcadell, no entanto, permanecerá presa até pagar a fiança. Os parlamentares são acusados de rebelião.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A decisão de libertá-los contrariou o pedido de prisão provisória feito pela Procuradoria Geral da Espanha. O juiz determinou ainda que os quatro deputados regionais paguem uma fiança de 25 mil euros no prazo de uma semana. Para Forcadell, o valor estipulado foi de 150 mil euros.

A presidente do parlamento dissolvido não conseguiu reunir esse valor e, por isso, foi transferida para um centro penitenciário em Madri. A expectativa é que Forcadell reúna o dinheiro necessário nesta sexta-feira, podendo assim sair da prisão.

O Parlamento regional Catalão anunciou que pagará com seu "caixa de solidariedade" o valor da fiança estabelecida para a presidente e para os quatro deputados, que eram membros da mesa diretora.

Apesar de definir a fiança, o juiz determinou que Forcadell compareça semanalmente a um tribunal enquanto estiver em liberdade. Além disso, ela está proibida de sair da Espanha.

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Rede de supermercados holandesa é acusada de racismo

 

picture-alliance/AA/J. C. Rojas

Carme Forcadell fica presa até pagar fiança

Outro parlamentar acusado provou nesta quinta-feira perante o tribunal ter votado contra a independência e ficou livre do processo.

Em 27 de outubro, o Parlamento regional da Catalunha aprovou, em Barcelona, a independência da região e a separação da Espanha numa votação secreta sem a presença dos principais partidos que se opõem à proposta, que abandonaram a sala minutos antes.

Em reação, Madri assumiu o controle dos poderes autônomos da Catalunha. A medida possibilitou a destituição do governo regional, a restrição dos poderes do Parlamento catalão e convocação de eleições para dezembro.

A Procuradoria Geral da Espanha iniciou um processo contra os envolvidos na declaração de independência, por rebelião e sedição, e pediu a prisão de alguns integrantes do governo dissolvido e parlamentares.

CN/efe/rtr/ap

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Termo estimula substituição de argumentos factuais por afirmações não comprovadas para manipular debate público, diz júri; iniciativa quer chamar atenção para palavras que ferem dignidade humana ou democracia

 

Sob a fumaça, a dependência

Não são apenas os fumantes que estão atrelados a um hábito do qual é difícil se livrar; o Brasil, líder global na exportação de tabaco, oculta sob os dados econômicos um quadro social de efeitos devastadores

 

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Após cinco séculos de mistério, equipe internacional de pesquisadores detecta bactéria, levada por europeus, que teria sido responsável pela morte de 15 milhões de pessoas em apenas cinco anos