Acordo comercial entre Mercosul e UE deve ser concluído neste ano, diz ministro das Relações Exteriores

Aloysio Nunes sugeriu que negociações com União Europeia estão em fase final; acordo poderá reduzir valor da tarifa de produtos

Após mais uma rodada de negociações sobre o acordo comercial entre o Mercosul e União Europeia, chanceleres e o vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, demostraram, nesta sexta-feira (10/11), otimismo com a conclusão do acordo ainda este ano.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, disse ter a expectativa de que essa tenha sido uma das últimas rodadas antes da finalização das negociações. “Esperamos a conclusão desse acordo até o final deste ano”, disse. Segundo ele, a proposta apresentada à União Europeia inclui regras para as trocas de bens que criam um quadro jurídico favorável ao intercâmbio entre os países.  

O vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, disse que acordo com o Mercosul é de máxima importância pelas implicações comerciais e também políticas e traria benefícios ao comércio dos países envolvidos.

“Acredito que estamos muito próximos de alcançar com êxito a conclusão do acordo birregional Mercosul e União Europeia”, disse Jyrki Katainen.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/Fotos Públicas (14/03/2017)

Aloysio Nunes sugeriu que negociações com a União Europeia estão em fase final

ONU e União Européia se pronunciam sobre ataque com caminhão-bomba na Somália

Empresários britânicos pedem período de transição para se ajustarem ao Brexit

"Venezuela era obstáculo para o Mercosul", afirma ministro das Relações Exteriores brasileiro

 

“O acordo se traduzirá em tarifas mais baixas ou tarifas zero para determinados produtos da pauta comercial e nos permitirá operar em torno de um conjunto de regras que regerá as relações entre União Europeia e Mercosul de forma que teremos um ambiente de negócios mais facilitado viabilizado por meio da troca comercial mais sustentável entre as duas regiões”, disse.

O ministro de Relações Exteriores da Argentina, Jorge Faurie, disse que o processo de negociação com a União Europeia está avançando e esse é o momento de acertar os enquadramentos possíveis para as negociações.

“Se assinarmos esse acordo que esperamos atingir até dezembro já conseguiremos a maior confiança para os investidores e um sinal para as empresas começarem a se preparar para ter maior comércio. É também um sinal importante para um comércio com regras, disciplina e valores”, disse Faurie.

Os chanceleres e Jyrki Katainen manifestaram a importância do acordo como uma medida contrária ao protecionismo.

Os chanceleres do Brasil, Aloysio Nunes; da Argentina, Jorge Faurie; do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa; o vice-ministro de Relações Econômicas e Integração do Paraguai, Luis Ávalos; e o vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, também se reuniram com o presidente Michel Temer. A visita de Katainen a Brasília ocorreu no momento do encerramento da 30° sessão do Comitê de Negociações Birregionais Mercosul-União Europeia.

Matéria publicada originalmente em Agência Brasil

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.