'Nunca aceitaremos o golpe de Estado militar no Zimbábue', diz líder da União Africana

'Sabemos que há problemas internos. Eles precisam ser resolvidos politicamente pelo Zanu-PF [partido do presidente Robert Mugabe] e não pela intervenção das Forças Armadas', afirmou Alpha Condé, presidente da Guiné

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O líder da União Africana, o presidente guineano Alpha Condé, afirmou nesta quinta-feira (16/11) que o órgão “nunca” aceitará “o golpe de Estado militar” no Zimbábue.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“Exigimos respeito à Constituição, a volta à ordem constitucional e nunca aceitaremos o golpe de Estado militar”, afirmou. “Sabemos que há problemas internos. Eles precisam ser resolvidos politicamente pelo Zanu-PF [partido do presidente Robert Mugabe] e não pela intervenção das Forças Armadas.”

Na quarta-feira (15/11), Mugabe e sua família – incluindo a primeira-dama Grace Mugabe, cotada para substituí-lo – foi detido por forças militares do Zimbábue em sua residência, em Harare. Ele se nega a renunciar e diz que vai terminar seu mandato.

Os militares dizem que não deram um golpe, mas que mantêm Mugabe “em segurança” e buscam “criminosos” que estariam em torno do presidente.

"Temos como alvo criminosos no entorno dele [Mugabe], que estão cometendo crimes que causam sofrimento social e econômico no país, a fim de levá-los à Justiça. Uma vez que completamos nossa missão, esperamos um retorno à normalidade", disse o major-general Sibusiso Moyo, em emissão pela TV estatal, ainda na quarta.

Nesta quinta, Mugabe se reuniu com o chefe das Forças Armadas do país, Constatino Chiwenga, que liderou o movimento militar, com emissários enviados pelo governo sul-africano e mais um membro católico do clero do país. Os veículos oficiais de informação não haviam divulgado, até as 15h30 de Brasília, qual havia sido o resultado da reunião.

Após Tanzânia e Zimbábue, Gâmbia proíbe casamento com meninas menores de 18 anos

OMS anula nomeação de Mugabe como embaixador da Boa Vontade

Forças Armadas intervêm no Zimbábue

 

Wikimedia Commons

Presidente do Zimbábue, Robert Mugabe: UA diz que não vai aceitar 'golpe militar'

A crise

A tensão no Zimbábue se agravou depois que Chiwenga ameaçou publicamente o governo Mugabe, presidente do país desde 1987. Chiwenga afirmou que o Exército estava pronto para "intervir" diante da crise no país.

Na semana passada, Mugabe destituiu seu vice-presidente Emmerson Mnangagwa, um aliado do líder militar Chiwenga. Os dois combateram juntos com Mugabe contra o regime de minoria branca na antiga Rodésia.

Chiwenga criticou os planos de Mugabe de demitir outros políticos da velha guarda. "Isso tem que parar", exigiu o chefe do Exército. Ele também criticou que a situação econômica do Zimbábue não tenha melhorado por anos devido a entreveros internos no partido governante União Nacional Africana do Zimbábue – Frente Patriótica (Zanu-PF).

O partido governante disse na terça-feira que as observações de Chiwenga são equivalentes à traição e ao incitamento à rebelião contra a ordem constitucional. O general Chiwenga e o vice-presidente destituído Mnangagwa são considerados críticos da primeira-dama Grace Mugabe, de 52 anos, que espera seguir os passos de seu marido no mais alto cargo do Estado.

Um especialista da consultoria de risco Verisk Maplecroft afirmou que o aumento da presença militar em Harare era um sinal claro de que as Forças Armadas iriam intervir, caso necessário, para evitar que Grace Mugabe seja presidente.

Segundo a imprensa local, os militares capturaram os ministros das Finanças, Ignatius Chombo; o ministro da Educação Superior, Jonathan Moyo; e o ministro de Obras Públicas e Habitação e comissário político a nível nacional da Zanu-PF, Saviour Kasukuwere.

Os três fariam parte do chamado grupo G40, uma facção do partido que, segundo os analistas, procura expulsar aos veteranos da guerra de independência – como o vice-presidente Mnangagwa – para abrir caminho para Grace Mugabe.

Mugabe é o chefe de Estado mais velho do mundo, mais longevo da África e governa o Zimbábue com uma mão dura há 37 anos – como presidente desde 1987 e primeiro-ministro de 1980 até 1987.

Ele enfrenta críticas por causa da grave crise econômica e por ataques a jornalistas, fazendeiros brancos e oposicionistas. Apesar da idade avançada, ele se recusou a nomear um sucessor. Mugabe pretende concorrer à reeleição em 2018.

(*) Com informações da DW

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington

 

'Trump me disse para processar a UE', afirma May

Após presidente dos EUA declarar que primeira-ministra do Reino Unido ignorou conselho dele sobre o Brexit, líder britânica revela qual foi a sugestão do americano: não entrar em negociações com a União Europeia